Blog do Kuramoto

Este blog se dedica às discussões relacionadas ao Open Access

Open Access: um novo Big Deal?

Seguindo com a tradução da matéria publicada por Richard Poynder em seu blog Open and Shut?Open Access in the UK: Reinventing the Big Deal, onde esse jornalista faz uma série de considerações sobre as últimas iniciativas do governo britânico.

New Big Deal

Isso significa, sugere Harnad,  que os editores  agora serão capazes de fornecer o OA, em seus próprios termos, e não nos termos destinados a proteger os interesses da comunidade científica. Essencialmente, o caminho está livre para que os editores  obtenham suas receitas correntes, em condições adaptadas ao novo ambiente OA, sem resolver o problema da acessibilidade,  que privou a comunidade icentífica,  por tanto tempo. Em suma, implícito no relatório FINCH / RCUK existe uma convicção de que as estratégias do OA não devem ter impacto negativo sobre os lucros das editoras. Com o relatório FINCH / RCUK  diz Harnad, “os editores obtêm suas receitas grotescamente inflados e, em troca  o  mundo se rende à estratégia da via Dourada”

É certamente estranho que, ao recomendar que a estratégia da via Dourada seja priorizada, o relatório FINCH argumente que a estratégia da via Verde  tenha falhado – apesar do fato de que a maioria dos trabalhos que estão hoje disponíveis em OA, são resultados da estratégia do auto-arquivamento (a estratégia conhecida como via Verde do OA), e não da estratégia preconizada pela via Dourada do OA (veja o gráfico abaixo), mesmo não tendo evidências de que a estratégia da via  Verde do  OA tenha prejudicado os lucros dos editores.

Imagem cortesia de Yassine Gargouri

Harnad sempre argumentou que o governo deveria exigir que todas as universidades do Reino Unido impusesse aos seus pesquisadores a obrigatoriedade do auto-arquivamento de suas pesquisas e, caberia ao RCUK fazer cumprir essa determinação, uma vez que, de fato, existe um mandato em vigor desde 2006 que,  sem dúvida, desempenhou com sucesso a implantação da via Verde do OA .  No entanto, o mandato poderia claramente ter sido mais eficaz.  Sua fraqueza fica evidenciada pelo fato de  que o RCUK  nunca fez questão de observar devidamente essa conformidade. “A eficácia do mandato depende da eficácia do cumprimento de verificação de mecanismos”, sugere Harnad, “e o RCUK nunca deu prioridade ao  mandato.”

Por isso, ele diz, “Ao RCUK teria sido muito melhor adotar um mecanismo de verificação de conformidade-benefício para o mandato existente do que se oferecer para pagar pela estratégia da via Dourada.”

Isso é importante, acrescenta, não apenas porque alcançaria o OA mais rapidamente, e economizaria  dinheiro a curto prazo, mas porque forçaria os editores a reduzir o custo de suas operações para o fornecimento da  revisão por pares sozinho – que é tudo o que é necessário em um mundo em rede – e assim reduzir os custos de longo prazo da publicação acadêmica. E isso resolveria o problema da acessibilidade insustentável.

Como está, diz  Harnad, a política RCUK simplesmente abriu o caminho para a reinvenção do Big Deal. Se você pensar sobre isso, diz ele, a política RCUK se resume ao esquema de assinatura do BMC / Springer ” mas, em nível nacional ao invés do  nível institucional.  “O próximo passo é um Big Deal nacional ou mesmo global.”

Ele acrescenta: Desde os anos 90 uma das  “opções” que os editores ofereciam, gentilmente, era a licença, tanto a nível Nacional quanto Global: “Você quer que qualquer um acesse qualquer coisa? Muito bem. Nós os editores queremos também. Concorde com o preço e  você terá o acesso!”

No entanto, nem todos acreditam que isso seja uma coisa ruim – pelo menos, não para Jan Velterop, o ex-funcionário da  AP e um dos arquitetos do primeiro Big Deal. “Eu não me importo com a estratégia da via Verde, diz Velterop, “O que eu não vejo como, remotamente realistica, é a ideia de que primeiro se deve submeter os editores à estratégia da via Verde  antes da consolidação da via Dourada.”

Velterop acrescenta, “A via Dourada é, em grande parte desenvolvida pelos novos editores, e não as tradicionais editoras. Ela deve ser construída ao lado da estratégia da via “Verde”. Que é mais provável para forçar ‘mãos que’ as editoras tradicionais verde ‘sozinho.Por isso, ele diz, um negócio grande nacional é precisamente o que o paciente necessita de hoje.

Consequentemente, ele diz, um pacote Big Deal Nacional é precisamente o que o paciente requer hoje.

Mais precisamente, ele diz, o que é necessário é um “Novo Big Deal” . Diferente do velho “Big Deal”, ele explica, isto compreenderia “uma licença Nacional” que desse ao pesquisador um ponto de acesso e uso livre a todos os artigos que estivessem ainda protegidos por assinatura, além de um serviço nacional de contratos. Este serviço seria necessário para aquisição do ponto de acesso livre e uso das publicações OA para os pesquisadores do Reino Unido, permitindo a eles publicar em revistas OA sem ter que pagar por elas.

 

 

Anúncios

outubro 24, 2012 Posted by | artigo | , , , , , , , , | Deixe um comentário

Open Access: novas ações provenientes dos editores no Reino Unido

Antes de concluir o penúltimo post, a tradução da matéria produzida por Richard Poynder, assinalava:

“Além disso, uma vez que todos os artigos em uma revista científica são únicos, os bibliotecários não estão em uma posição de poder substituir um título caro por  um mais barato. Portanto, há uma enorme pressão sobre as bibliotecas para que sejam assinadas todas as revistas publicadas nas várias áreas da pesquisa em que a instituição atua.”

Essa matéria continua, conforme segue abaixo:

“Por outro lado, os defensores do OA argumentam, com a solução autor-paga adotada pelas editoras que adotaram a estratégia da via Dourada, a decisão de compra é feita pelos pesquisadores, não por um intermediário. E, desde que os autores são capazes de publicar em uma variedade de revistas científicas, eles podem procurar por aí (ou seja, as revistas são substituíveis, e os autores podem – e irão – ao tomar a decisão de compra).

Mas, havia uma mosca na sopa. Como o “Big Deal”, as assinaturas OA são realizadas por intermediários provenientes da classe bibliotecária, de modo que existe uma desconexão no modelo de assinaturas, que muitas vezes continua a existir com a publicação OA. Os modelos de assinatura também tendem a empurrar os autores na direção dos editores que já mantêm contrato com as suas bibliotecas,  o que limita a escolha. 

Além disso, um crescente número de universidades estão criando fundos destinados a subsidiar as publicações de autores interessados em publicar por meio da estratégia da via Dourada. Novamente, a conta não será paga pelo intermediário, não pelo autor. Importante, o recurso não vem do orçamento de pesquisa do autor, então é improvável que o preço seja um fator decisivo quando um autor procura por um periódico OA no qual deseja publicar.

Prioridades

Não é novidade, quando o auto-arquivamento decolou, os  editores logo concluíram que isto representava uma séria ameaça para as suas receitas. E eles responderam de duas maneiras

Primeiro, eles insistiram no embargo ao auto-arquivamento. Exigiram que os pesquisadores esperassen antes de tornar uma cópia de seu artigo disponível gratuitamente na Web – geralmente de 12 meses ou mais.

Segundo, os editores científicos começaram a adotar o OA híbrido. Isso permitiu aos autores publicar seus seus artigos em revistas que se tornaram OA – mas, novamente, mediante o pagamento de um APC. Embora, em teoria, a estratégia OA híbrido não seja diferente da estratégia da via Dourada  (ambos tornam trabalhos livremente disponíveis mediante  o pagamento de um APC), é, geralmente, mais cara do que publicar em revistas que adotam a via Dourada pura. Mais precisamente, o OA híbrido permite aos editores o “double dip” – ou seja, obter receitas, por meio de, ambos os mecanismos,  tanto com os APCs quanto com as assinaturas.

Como as publicações OA vem se desenvolvendo, portanto, espera-se que isto revelará algo mais provável para restringir os preços do que a evaporação dos preços das assinaturas das publicações.   Além disso, para a frustração dos defensores do OA, a quantidade dessas publicações tem crescido muito lentamente. Hoje, apenas cerca de 24% dos resultados das pesquisas, em todo o mundo, são publicadas em revistas OA (35% no Reino Unido), e o crescimento tem se realizado a uma taxa de apenas 1-2% ao ano.

Deve-se também observar que – à exceção da área  biomédica – a quantidade de artigos científicos que são disponibilizados por meio do Acesso Livre, da via Verde do OA é da ordem de 4 vezes a quantidade de artigos que são dispnibilizados por meio da via Dourada.

A comparação feita no parágrafo anterior é importante porque, apesar das vias Verde e Dourada serem vistas como as duas principais estratégias para se atingir o Acesso Livre, no Reino Unido, a mais recente progressão dos fatos indica alterar fundamentalmente esse equilíbrio.

Mais especificamente, no mês de  julho passado, no Reino Unido, o Comitê FINCH publicou um relatório que continha uma série de recomendações sobre a publicação científica/acadêmica. Mais notavelmente, ele recomendava que toda pesquisa financiada com recursos publicos, no Reino Unido, deveria estar livremente disponível em uma base OA. No entanto, ao invés de recomendar a adoção de  todas as estratégias do OA, o referido relatório concluiu que o principal mecanismo a ser adotado seria aquele conhecido por autor-paga OA – tanto para revistas da via Dourada quanto para aquelas que adotam um modelo híbrido.

Resultado, ao invés de reduzir os custos, o relatório FINCH estimou que a sua proposta necessitaria de uma receita adicional da ordem de 40-50 milhões de Libras ao ano, dos quais 38 milhões seriam necessários para pagar a taxa APC.

Não foi surpresa, o fato de muitos reagirem às recomendações FINCH com consternação.  A  queixa era a de que os custos adicionais recairiam desproporcionalmente sobre os ombros de universidades de pesquisa intensiva (nomeadamente o Grupo de Russell).

No entanto, o governo do Reino Unido aceitou a quase totalidade das recomendações FINCH e a Research Councils UK (RCUK) imediatamente publicou uma nova política OA. Esta nova política vai exigir que todos os papers resultantes de pesquisa científica , total ou parcialmente financiada pela RCUK, terá de tornar-se OA. E, como indicado pelo relatório FINCH, RCUK vai exigir que os autores priorizem a estratéga da via Dourada em detrimento da estratégia da via Verde, deixando os repositórios institucionais relegados apenas ao papel de preservação e arquivamento de dados.

Os custos adicionais desta política serão atendidos por meio de subsídios em bloco da RCUK, mas o dinheiro vai sair do orçamento da pesquisa nacional existente, de modo que não haverá dinheiro novo. Além disso, para aplacar o Grupo Russell, o governo do Reino Unido anunciou que irá fornecer um extra de £ 10 milhões.  Isso também não será dinheiro novo, mas virá das “flexibilidades” do orçamento existentes dentro da rubrica para a ciência.

Os maiores críticos do relatório FINCH / RCUK, no entanto, foram os defensores da estratégia da via Verde do OA, como Stevan Harnad, que antecipou que as assinaturas de revistas  (quem ainda publicar a maioria dos artigos revisados ​​por especialistas) vão responder à nova política por meio do  alongamento dos embargos às políticas de auto-arquivamento à ponto de não serem mais compatíveis com a política RCUK, e dizer aos autores que eles devem pagar pelo OA híbrido.

Como Harnad me disse, em Julho passado, se alguém fosse um editor, permitindo a seus autores o pagamento pela publicação de forma aderente à estratégia da via Dourada híbrida (enquanto continua a coletar seu lucro usual provenientes das assinaturas) e, de quebra,  seria aguardado até o cumprimento do embargo à via Verde (ou seja, até a data em que seus netos concluíssem o seu curso superior), para ter certeza de que seus autores paguem pela estratégia da via Dourada híbrida, ao invés de escolher a opção pelo custo-livre que se teme possa vir a representar um risco para as suas receitas de assinaturas!

O entendimento de que a estratégia da via Verd do OA será obsoleta continua. O que se sabe é que, confrontado com as crescentes críticas, o RCUK sentiu a necessidade de fazer uma série de esclarecimentos (por exemplo, aqui e ali). No entanto, recusou-se a alterar a redação de sua política, que afirma claramente que os pesquisadores devem preferir a via Dourada em detrimento da via Verde.”

Esta matéria mostra a força dos editores científicos comerciais, que contra-atacam a estratégia da via Verde do OA, preferindo articular a adoção da via Dourada junto ao governo inglês.

outubro 12, 2012 Posted by | artigo | , , , , , , , , | Deixe um comentário

Open Access no Reino Unido: causas e estratégias

Richard Poynder

No último dia 01 de Outubro, Richard Poynder publicou em seu blog Open and Shut? um longo post onde faz uma longa consideração sobre a problemática das assinaturas de periódicos científicos no Reino Unido, soluções propostas pelos editores e o surgimento das estratégias do Open Access.  Devido ao fato do post ser demasiadamente longo, optei por publicar a sua tradução em partes separadas. Segue a primeira parte:

“O sistema de comunicação científica tem enfrentado sérias dificuldades nas últimas décadas, um problema geralmente conhecido como a “crise dos periódicos”. O cerne da questão é que o preço das revistas científicas tem aumentado consistentemente mais rápido que o índice de preços ao consumidor. Bibliotecas de universidades  e  centros de pesquisa vêm encontrando dificuldades cada vez maiores para adquirir e manter as as assinaturas de todas as revistas de que os seus pesquisadores precisam.

No início de 1990, os editores se encontraram em uma situação onde cada vez que preço de uma revista aumentava eles se viam confrontados com uma onda de cancelamentos. Em uma tentativa de recuperar a receita perdida aumentavam o preço, novamente, o que simplesmente desencadeava uma nova onda de cancelamentos.

Consciente de que a sua sobrevivência estava ameaçada, as editoras buscaram uma maneira de manter os seus assinantes e acabou chegando ao que ficou conhecido como o “Big Deal”.

Com o “Big Deal”, essas bibliotecas não assinavam as revistas título a título, mas sim um conjunto pré-determinado de revistas eletrônicas, a cujos contratos tinham validade por vários anos. Normalmente esse pacote é constituído de todo o portfólio da editora, que pode incluir centenas de títulos de revistas.

O atrativo do “Big Deal”,  para os editores,  era que, com esse tipo de contrato, havia o comprometimento de acabar com o ciclo anual de cancelamento. Para bibliotecas, esse tipo de contrato  forneceu o acesso a um número muito maior de títulos pelo mesmo preço que estava pagando por um conjunto menor de títulos – uma vez que assinou-se o pacote inteiro e, além disso, um contrato que abrangia vários anos. Para autores, isto proporcionou um público maior e mais estável aos seus artigos.

A Academic Press foi pioneira, em 1996, quando assinou um contrato nesses termos, “Big Deal”, por três anos com a Higher Education  Funding Council for England (HEFCE). O acordo significa que qualquer pessoa que trabalhasse e uma instituição de ensino superior (Higher Education) no Reino Unido tem franco acesso a um ponto de acesso à revista inteira da referida esitora (Academic Press). Além disso, uma vez que foi HEFCE que pagou a conta (por meio da corte superior), o acordo trouxe o benefício adicional de aliviar a pressão sobre os orçamentos das, duramente, pressionadas bibliotecas de pesquisa do Reino Unido.

O padrão

Depois de algum ceticismo inicial, outras editoras começaram a oferecer seus próprios pacotes “Big Deal”, e o modelo, em breve, tornou-se a forma padrão em que bibliotecas de pesquisa adquiriam o acesso a revistas acadêmicas.

No entanto, enquanto conceito básico da AP foi copiado, mais subseqüentes grandes negócios não foram assinados com organismos de financiamento nacionais, mas com consórcios de bibliotecas. E uma vez que os custos não foram top cortado, isso significava que as bibliotecas tiveram que financiar seus contratos “Big Deal” a partir de seus próprios orçamentos.

Logo tornou-se evidente, portanto, que o Big Deal não conseguiu resolver o problema fundamental da acessibilidade que está no coração da “crise dos periódicos”. E, como carteiras de editores de revistas tem cada vez maior como resultado da consolidação da indústria, os contratos  “Big Deal” começaram a devorar uma porção cada vez maior do orçamento de uma biblioteca. Como conseqüência, o “Big Deal” gradualmente caiu em desgraça, com bibliotecários reclamando que, como qualquer modelo de assinatura do jornal, o “Big Deal” é por sua natureza monopolista, e ele bloqueia bibliotecas em um sistema caro e inflexível que eles só podem se livrar com grande dificuldade.

Desejosos de encontrar uma abordagem alternativa, a comunidade científica começou a ter um interesse no movimento Open Access (OA). Se os artigos fossem disponibilizados gratuitamente na internet, eles entenderam, não somente os pesquisadores teriam acesso a tudo o que precisavam, mas o auto-arquivo (ou, como ficou conhecido mais tarde, a estratégia da via Verde) poderia aliviar o problema, a acessibilidade, permitindo às bibliotecas iniciar o cancelamento de algumas de suas assinaturas de revistas. Com este objetivo em mente, os defensores da estratégia da via Verde convocaram os pesquisadores a tornar os seus trabalhos disponíveis na web (e mais tarde em repositórios institucionais).

Além disso, uma nova geração de editores – por exemplo BioMed Central (BMC) e Public Library of Science (PLoS) – entrou no mercado oferecendo-se  para tornar os artigos acessíveis, livremente, aos pesquisadores  como uma parte essencial do processo de publicação, com a condição de que eles pagassem uma taxa de processamento de artigo (APC). Isto mais tarde, tornou-se conhecido como a estratégia da via Dourada do movimento OA.

Na crença de que o modelo autor-paga levaria a baixar os custos de publicação, a bibliotecas começaram a persuadir os pesquisadores a abraçar a estratégia da via Dourada do movimento OA.  E para ajudá-los nisso, eles concordaram em usar parte do orçamento de algumas das assinaturas de seus periódicos para se filiar a esquemas que as editoras que adotaram a via Dourada do OA, como BioMed Central e Springer começaram a oferecer. Estes esquemas possibilitaram aos pesquisadores o direito de publicar em revistas OA sem ter que pagar pela publicação de um artigo.

A crença de que a publicação OA levaria a custos mais baixos se baseavam em duas suposições: primeiro, que a publicação eletrônica era inerentemente menos cara que a tradicional publicação impressa; segundo, que ela imporia restrição de preços aos editores. O pensamento que estava por trás dessas suposições era: com relação às assinaturas de periódicos científicos, não são os pesquisadores que pagam a conta mas, os bibliotecários. Consequentemente, os pesquisadores não devem se preocupar com o custo das revistas científicas, mas simplesmente solicitar os títulos que eles necessitam, independentemente, do custo que as bibliotecas terão que pagar para tê-los.  Desde que, o seu trabalho é servir às necessidades de informação dos pesquisadores, os bibliotecários sentem que eles teriam que pagar.  Em outras palavras,  há uma desconexão no seio  do modelo de assinaturas de periódicos.

Além disso, uma vez que todos os artigos em uma revista científica são únicos, os bibliotecários não estão em uma posição de poder substituir um título caro para um mais barato. Portanto, há uma enorme pressão sobre as bibliotecas para que sejam assinadas todas as revistas publicadas nas várias áreas da pesquisa em que a ação a instituição atua.”

Evidentemente, aqui no Brasil os nossos pesquisadores, aparentemente, ainda não se depararam com tal situação graças ao Portal de Periódicos da Capes que tem mantido as assinaturas dos periódicos alí disponibilizados. Será que teremos, eternamente, orçamentos capazes de bancar o referido portal?

outubro 7, 2012 Posted by | artigo | , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

O relatório FINCH e suas repercussões

Richard Poynder

O jornalista e blogueiro Richard Poinder fez uma entrevista bem esclareccedora com o arquievangelista Steven Harnad sobre o relatório FINCH, leia a entrevista, em inglês, aqui.

A entrevista é longa e não será traduzida inteiramente neste espaço. Farei, no entanto, a tradução de parte da matéria de Richard Poynder que introduz a entrevista com Stevan Harnad.

Coforme escreveu, Richard Poynder, em matéria introdutória:

“Quando, em 16 de julho, próximo passado, o Research Councils of United Kindom (RCUK), publicou sua política atualizada sobre a acesso aos resultados de pesquisa científica (Policy on Access to Research Outputs) o movimento Open Access (OA)  recebeu a notícia com entusiasmo. Este foi surpreendente: ao contrário das recomendações do controverso relatório  Finch (publicado um mês antes), RCUK salientou que continuaria a ver tanto a via Dourada, estratégia  OA para as publicações científicas, quanto a via Verde, estratégia OA baseada no auto-arquivamento, como estratégias similares em qualquer política de OA.

A via Dourada  e a via Vverde são as duas estratégias definidas há  oito anos atrás para se atingir o acesso livre à produção científica, quando o movimento OA nasceu, e são vistas como componentes essenciais em qualquer transição, bem sucedida, para o OA.

Por outro lado, o Relatório FINCH concluiu que a estratégia principal, a ser adotada, agora deveria ser a da via Dourada, quer através de revistas de acesso livre ou através de revistas híbridas, e que esta deve ser financiada por meio de taxas de processamento de artigo (APCs – Article Processing Charges).

Ao mesmo tempo, o relatório Finch reiterou que, era hora de rever a estratégia da via Verde do OA (a expressão utilizada por Richard Poynder é downgrade que significa regredir), e reduzir o papel dos repositórios institucionais para apenas fornecer acesso a dados de pesquisas e literatura cinzenta e auxiliar na preservação digital.

Em concordância com as propostas formuladas pelo relátório Finch, os defensores OA rapidamente concluiram que a política formulada por RCUK foi uma dádiva de Deus.

Stevan Harnad, defensor do OA de longa data, e auto-denomindo arqui-evangelista, foi  um dos primeiros a aplaudir a nova política.  Harnad, aliviado, começou  a inundar as listas de discussão com mensagens parabenizando RCUK por estabelecer uma uma política que não só desafiou o relatório Finch, mas foi mais forte do que sua política atual relativa ao OA.

Mas, como definiu Harnad, ao falar da política, e buscando convencer os mais céticos e incrédulos, ele mesmo começou a ter dúvidas. E, finalmente, ele chegou à conclusão de que  não havia outra opção senão a de retirar o seu apoio à política do RCUK – que agora ele a caracteriza como “autista”, e um “tolo, desperdiçado e contraproducente passo à trás”.

Como é que, o que à primeira vista, parecia tão desejável rapidamente tornou-se algo tão terrível? Curioso para descobrir, entrei em contato com Harnad, que me deu uma entrevista, via email e que pode ser lida no seguinte link.”

Por motivos de caráter pessoal, não farei a tradução da entrevista. Mas, ao longo desta materia, o leitor tem todos os links necessários para ter acesso à referida matéria.

agosto 21, 2012 Posted by | artigo | , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Acesso Livre: aos bibliotecários uma ajusta homenagem pelo seu dia!

Este post não falará diretamente sobre o tema central deste blog mas fará uma homenagem aos especialistas da classe que contribuiu decisivamente para eclodir o movimento do Acesso Livre e vem contribuindo para a implantação da estratégia da via Verde, não apenas no Brasil, mas também no exterior (vide entrevista do reitor da Université de Liège, Bernard Rentier). O jornalista, Richard Poynder, que entrevistou este reitor, inclusive, aponta que o Bernar Rentier teria sido alertado por um bibliotecário sobre os fundamentos do movimento, naquela época, ainda incipiente moivmento Open Access.

Devemos, além disto, dar o crédito aos bibliotecários por serem os primeiros a perceberem a crise dos periódicos e promover, em consequência, revisão de suas políticas de aquisição em diversas bibliotecas e buscar alternativas de manutenção das coleções. Hoje, a grande maioria dos repositórios de Acesso Livre estão funcionando e foram desenvolvidos graças ao empenho dos bibliotecários. Eloy Rodrigues é um exemplo desse tipo de profissional. Infelizmente, não dá para enumerar todos os profissionais envolvidos com a causa do acesso livre, este blog não teria espaço para enumerar tantos nomes, o que não me impede de render as minhas homenagens, aos bibliotecários representados pela pessoa de Eloy Rodrigues como legítimo representante de tão importante classe de profissionais pelo importante trabalho que realizam nas biliotecas existentes no Brasil e em tantos outros lugares espalhados pelo globo terrestre. A esses profissionais os nossos mais efusivos votos de sucesso e que este seja um dia muito especial.

março 12, 2012 Posted by | artigo | , , , , , , | 2 Comentários

Plano C para o Acesso Livre: pó para pulgas

Tenho constantemente reproduzido neste blog matérias publicadas por Stevan Harnad em seu blog, por uma questão muito simples, são matérias preciosas que trazem sempre percepções muito interessantes e que devem, a meu ver, ser de ampla disseminação, uma vez que, sem exceção trazem luz a diversos questionamentos.

Desta vez, Stevan Harnad faz uma série de comentários sobre uma entrevista publicada por Richard Poynder em su blog Open & Shut? intitulada Scholarly Publishing: Where is Plan B?  O título deste post é uma tradução literal do post publicado em Open Access Archivangelism. O título naturalmente é uma bem humorada crítica à matéria de Poynder.

  1. As bibliotecas não podem, não precisam e não vão cancelar (importante) as assinaturas das  revistas científicas  até que todos ou quase todos os seus conteúdos forem acessíveis livremente por seus usuários através de outros meios.
  2. O risco de boicote por parte de autores não pode, não precisa e não vai parar de publicar ou a revisão por pares para as melhores revistas cinetíficas: Não é necessário e nem realista. Há maneiras mais fáceis e melhores de se tornar esses conteúdos acessíveis livremente.
  3. Os pesquisadores não podem, não precisam e não vão parar de servir aos conselhos editoriais das melhores revistas científicas. Não é necessário e nem realista. Há maneiras mais fáceis e melhores de se tornar esses conteúdos acessíveis livremente.
  4. A pesquisa e os pesquisadores não podem, não precisam e não vão abandonar a revisão por pares. Não é necessário e nem realista. Há maneiras mais fáceis e melhores de se tornar os conteúdos das revistas científica livremente acessíveis.
  5. As revistas não podem, não precisam e não vão se converter em revistas de Acesso Livre (via Dourada – Gold Road) hoje: Isso seria simplesmente tornar o Acesso Livre tão inacessíveis quanto as assinaturas das revistas científicas ( a preços correntes).
  6. Que aqueles que se preocupam com os preços das assinaturas das revistas científicas e mantém a economia em vista é que a primeira e única razão tão importante a se considerar é que os preços das assinaturas das revistas são exorbitantes e inacessíveis e não há outro caminho aos futuros usuários para acessar os seus conteúdos.
  7. Assim, somente uma estratégia  é realista, viável e é sensata: a que  resolverá  completamente o problema do acesso  e  que  reduzirá as despesas das revistas científicas e seus preços, assim como, induzirá a conversão de revistas científicas comerciais em revistas científicas com assinaturas (via Dourada – Gold Road) a um preço acessível.
  8. Essa estratégia é para as universidades e agências de fomento à pesquisa estabelecerem políticas/mandatos de Acesso Livre, a via Verde (Green Road), ou auto-arquivamento.
  9. Após a estratégia da via VERDE, ou auto-arquivamento, tornar-se universal porque será universalmente reconhecida, o problema do acesso à pesquisa  estará resolvido.
  10. Uma vez que o problema de acesso à pesquisa é resolvido, o acesso à revista não é mais uma questão de vida ou morte: as bibliotecas podem cancelar as assinaturas das revistas cujos preços forem exorbitantes, porque seus conteúdos são de livre acesso para seus usuários através de outros meios.
  11. Uma vez que a estratégia se torne universal,  pós-via Verde (post Green-OA) os  cancelamentos de assinaturas das revistas científicas tornarão insustentáveis às editoras  atender despesas de publicação, os editores irão reduzir as suas despesas a apenas o custo de revisão por pares, fornecimento de acesso, arquivamento em repositórios institucionais de Acesso Livre e conversão para publicação de Acesso Livre (Gold Road).
  12. Universidades terão, então,  fundos para pagar os custos muito mais baixos referentes apenas à revisão por pares, além de eventuais economias porovenientes do cancelamento de assinatura. (É esse o resultado ideal e inevitável para a pesquisa e pesquisadores que o lobby dos editores está fazendo seu melhor para evitar, tanto quanto possível. Mas cabe inteiramente à comunidade científica decidir quanto tempo fazê-lo.  Significa dizer que, enquanto a comunidade não adota a estratégia preconizada, ela permite à pulga se instalar em sua cauda para abanar a pesquisa/cão).

março 5, 2012 Posted by | artigo | , , , , , , , | 1 Comentário

Peter Suber fala sobre o estágio atual das iniciativas OA

Conforme comentei em um post anterior, apresentarei nestes próximos posts apenas uma síntese da entrevista realizada pelo jornalista Richard Poynder com Peter Suber, um dos mais importantes defensores do Open Access (OA). Aqueles que tiverem dificuldades para entender a síntese que apresentarei poderão ler um artigo que publiquei recentemente no Jornal da Ciência.

Peter Suber foi um dos pesquisadores que contribuíram para o surgimento do OA. E, esta talvez seja a mais importante entrevista já realizada sobre o OA, tendo em vista que, Suber explica a situação atual das estratégias e iniciativas do OA. Leiam a síntese a seguir.

Por quê e para quê OA?

Os autores precisam do OA para alcançar todos os leitores que poderão construir seu trabalho, aplicá-lo, estendê-lo, citá-lo ou fazer uso dele. Leitores precisam do OA para encontrar e recuperar todas as coisas que eles precisam ler e processar tudo que eles necessitam processar.

O OA não é meramente um compartilhamento de conhecimentos. Ele acelera a pesquisa visto que ajuda o autor e o leitor encontrar-se mutuamente. Ele é compatível com intermediários mas não é compatível com intermediários que levantam as barreiras contra o acesso para manter os autores separados dos leitores.

Basicamente nós precisamos do OA para resolver o sério problema de acesso que dificulta aos pesquisadores, tanto os autores quanto os leitores. Mas, nós também precisamos agarrar essa bela oportunidade oferecida pela Internet, especialmente a oportunidade para distribuir cópias perfeitas de artigos revisados por pares junto à audiência mundial a um custo marginal igual a zero.

Sobre a situação atual da estratégia verde OA:

Para mim, não há simplesmente uma linha de chegada para o OA. Mas, nós estamos nos aproximando rapidamente do ponto onde a via verde do OA torna-se o padrão para os artigos resultados das novas pesquisas, mesmo se ela coexiste com o acesso pago (ou acesso mediante pagamento de assinaturas) das revistas cientíicas tradicionais. A via verde do OA já é o padrão para a área da física em todo o mundo, e para a medicina na América do Norte, por diferentes razões.

O ritmo do progresso varia de área do conhecimento para área do conhecimento e de país para país, mas a direção do progresso é o mesmo em todo os lugares. A curva é ascendente em qualquer lugar. E a razão é a mesma em quase todos os lugares, ou seja, o forte crescimento das políticas aderentes à via Verde do OA, adotadas por agências de fomento e univesidades. Algumas políticas são fracas e tem pouco efeito, mas a distribuição de fortes políticas está definitavamente ampliando o volume mundial de resultados de pesquisa acessíveis livremente.

Sobre a atual situação da via Dourada:

Nós estamos fazendo progresso também nesta estratégia. O número de revsistas com revisão por pares OA está crescendo rápidamente, tanto as novas revistas OA quanto as revistas existentes que são acessíveis por meio de assinaturas convertidas para OA. Há mais revistas OA dando lucro. Existem mais revistas OA ganhando reputação pela sua alta qualidade, importância e prestígio.

Existem mais experimentos com diferentes modelos de negócio para revistas OA em diferentes nichos e mais reconhecimento de que há muitos diferentes modelos de negócios a experimentar. Há mais universidades e agências de fomento dispostos a pagarem pelas taxas de publicação para revistas OA cujos modelos de negócios se baseiam no pagamento dessas taxas – e, , esses números estão crescendo mesmo em uma profunda recessão.

Há mais reconhecimento de que o apoio a revistas OA é um investimento em nível superior ao suporte à pesquisa, pesquisadores, instituições de pesquisa, e revisão por pares. Mais revistas OA estão documentando que sua conversão para o OA aumentou o número de submissões e impacto na citação.

O crescimento no número de conversão de revistas, baseadas em assinaturas, para OA, em meu entendimento, sugere que os editores de pequeno e médio porte estão começando a ver o OA menos como uma ameaça e mais como uma estratégia de sobrevivência. Os grandes negócios estão absorvendo os orçamentos das bibliotecas, o orçamento das bibliotecas são estáticos ou decrescentes, e revistas excluídas dos grandes negócios têm pouco futuro em modelos baseados em assinaturas.

De fato, eu vejo um maior reconhecimento de que o modelo baseado em assinaturas é insustentável em um mundo no qual o volume de conhecimento publicado cresce rapidamente, e os preços de assinaturas cresce mais rápido que os orçamentos das bibliotecas e a inflação.

Eu vejo mais agências de fomento e governos – não apenas bibliotecas e universidades – chegando à conclusão de que a barreira do preço a esta critica e útil literatura criam espaços danosos ao acesso e minam os investimentos públicos em pesquisa e revisão por pares. Estas instituições têm se comprometido com a estratégia da via Verde, mas elas também estão se comprometendo de forma crescente com a estratégia da via Dourada também.

Segue a mensagem de Suber aos editores que se mantêm contra o OA, especialmente aqueles que fazem lobby contra os mandatos de auto-arquivamento (depósito):

“Eu diria que eles devem aceitar a legitimidade de exigir OA à pesquisa que recebe financiamento público e concentrar suas objeções sobre a duração do embargo permitido. Se não, eles estão colocando seus interesses privados à frente do interesse público e exigindo que os órgãos públicos façam o mesmo.

“Se eles não se opõe aos mandatos da via Verde do OA para as pesquisas com financiamentos públicos e apenas resistem à idéia de converter as revistas, baseada em assinaturas, para revistas OA por si só, então eu não tenho nenhuma objeção. Mas eu devo exortá-los a permitir que o autor seja iniciado à estratégia verde do OA. Eu devo exortá-los a estudar a estratégia da via Dourada para os editores que estão pagando suas contas e fazendo lucros e estudar a real sustentabilidade do modelo de negócio baseado em assinatura em um mundo de crescimento rápido das pesquisas e orçamentos estacionários ou decrescente das bibliotecas. Mas a escolha é deles, e eu nunca quis que a política do governo fosse além da regulação dos subsídios para a regulação dos editores.

“Para mim, o recado aos editores cujo modelo de negócios de suas revistas é baseado em assinatura tem 4 pontos: em primeiro lugar, permitir a estratégia verde do OA. Em segundo lugar, estudar a estratégia Dourada do OA. Terceiro, não agir da mesma maneira como órgãos públicos agem no interesse público. Quarto, não agir da mesma maneira como pesquisadores e instituições de pesquisa agem no interesse da pesquisa.”

julho 7, 2011 Posted by | Entrevista | , , , , , , , | 1 Comentário

Quem é esse líder da revolução sem líderes, Peter Suber?

Peter Suber

Antes de apresentar os posts relativos à síntese da entrevista de Peter Suber ao jornalista Richard Poynder, é preciso conhecer o personagem. Leiam a seguir.

O que é notável sobre o movimento acesso aberto (OA) é que apesar de não ter uma estrutura formal, nenhuma organização oficial, e nenhum líder nomeado, o movimento provocou uma transformação radical no sistema de comunicação científica que pouco mudou em 350 anos de vida. Mais notavelmente, ele demonstrou que não é mais racional, ou mesmo necessário, construir uma barreira de pagamento de assinaturas das revistas entre os pesquisadores e a pesquisa.

Enquanto muitos têm desempenhado um papel importante no movimento, ninguém foi tão influente, ou tão eficaz, como filósofo, jurista, e o inicialmente cômico Peter Suber é agora visto como o líder de facto da revolução sem líderes.

Entre as contribuições únicas de Suber, ele desempenhou o papel de parteiro no nascimento do movimento OA. Especificamente, ele esteve presente na reunião que deu origem ao movimento Open Access, em 2001, Budapeste Open Access Initiative (convocada pela Fundação Soros), na Hungria, onde o OA e sua agenda foram inicialmente definidos. Suber também redigiu o Manifesto associado, , elaborando-o, de forma bem sucedida, integrando as diferentes agendas articuladas em Budapeste em um todo coerente e convincente, que serviu para inspirar e despertar defensores do OA.

Alguns argumentam que sem a presença de Suber, o encontro de Budapeste poderia ter se divido em diversas facções. Da mesma forma, sem a sua visão estratégica e capacidade de moderação e arbitramento de conflitos freqüentes, um movimento inerentemente fissíparo poderia ter se dividido em diversas facções desde então.

“Peter é gentil, leal e adota uma abordagem ecumênica, que tem se revelado mais persuasiva do que algumas das abordagens mais impacientes (inclusive a minha). Embora, como ele mesmo apontou, se for necessário, ele pode ser bastante firme e forte também”, disse um de seus colegas defensores do OA, Stevan Harnad.

Suber realmente tornou-se a cola que mantém o movimento unido e é seu estrategista-chefe. Suas principais plataformas para fazer isso tem sido o seu blog, (OAN), e o SPARC [Scholarly Publishing and Academic Resources Coalition] Newsletter Open Access, onde ele tem repetida e convincentemente defendido o OA, desconstruído e refutado os muitos argumentos utilizados contra o OA, e consistentemente inspirou o movimento.

“As contribuições de Peter em termos práticos – OA News e o [SPARC Open Access] Newsletter têm sido absolutamente fundamental em focalizar esforços e debate, mas eu diria que ainda mais importante foram os seus poderes únicos de lógica e argumentação”, diz a consultora de publicação e advogada do OA Alma Swan. “Ele põe a questão de forma persuasiva e difícil de refutar: ele é inimitável a esse respeito.”

Mesmo os editores respeitam Suber. “Eu nunca conheci Peter, mas eu tenho admirado a sua clareza de expressão e análise, e respeito a sua resistência e dedicação ao movimento de acesso livre”, diz Graham Taylor, diretor de publicação educational, acadêmico e profissional no The Publishers Association. “Parece-me que o seu boletim de notícias SPARC foi por algum tempo o carro-chefe em que o resto dos seguidores do OA depende para o seu senso de direção e rigor.”

Suber provou ser um advogado altamente eficaz nos bastidores. “Peter tem sido um colaborador chave para o desenvolvimento de políticas de acesso livre, tanto a nível institucional quanto nacional”, diz Heather Joseph, diretora executiva da SPARC. “Ele tem sido amplamente respeitado por sua análise cuidadosa, pelo bom conselho pelo bom uso da palavra, por iss, sem qualquer surpresa o seu conselho é muito procurado pelos formuladores de políticas, não só aqui nos EUA, mas em todo o mundo também. ”

“Não é que o OA não teria acontecido sem Peter Suber: É óptimo e inevitável. Mas a sua liderança tornou muito mais prossível de acontecer, mais cedo ou mais tarde”, diz Harnad.

Certamente nenhum outro defensor do OA fez mais sacrifício do que Suber na defesa do OA. Em 2003, ele colocou uma carreira de sucesso acadêmico, em espera, para defender o OA, uma decisão que significava abrir mão de uma posição de titular para uma série incerta, a curto prazo, de auxílios e subvenções.

Mas o reconhecimento e as recompensas só começaram a aparecer em 2009, quando Suber recebeu uma bolsa conjunta do Centro Berkman para Internet e Sociedade com o Escritório de Comunicação Acadêmica de Harvard e Biblioteca da Escola de Direito de Harvard. E, no início deste ano, a American Library Association (ALA) anunciou que tinha selecionado Suber como o vencedor do Prêmio L. Ray Patterson Copyright de 2011 por seu trabalho em defesa do OA. Suber é também pesquisador sênior do SPARC e membro do Conselho do Enabling Open Scholarship. Ele também atua como diretor de projeto OA no Public Knowledge.

julho 6, 2011 Posted by | Entrevista | , , , , , , | Deixe um comentário

Uma verdadeira aula sobre o acesso livre ou simplesmente OA

Não resistirei à tentação, farei uma pequena recensão da entrevista realizada pelo jornalista Richard Poynder com o reitor da Universidade de Liège (ULG), Prof. Bernard Rentier, por sinal muito bem executada. Trata-se de um bela visita aos fundamentos do Open Access (OA). Muito didático e entusiamante. A começar pela introdução Parte I e Parte II, nas quais é feita uma rápida introdução ao Open Access, discutindo a dificuldade de muitos em absorverem os fundamentos do OA, para em seguida descrever o perfil do reitor e mostrar quão rápido o Prof. Bernard Rentier conseguiu entender o OA, ainda que estivesse nos seus primórdios, o reitor percebeu que se tratava de uma solução inovadora para os problemas enfrentados em sua universidade, ainda como vice-reitor, responsável pela política de pesquisa e pelas bibliotecas da universidade.

A seguir o jornalista Richard Poynder inicia a entrevista propriamente dita, colocando questões iniciais ao reitor, de forma a fazê-lo se apresentar e mostrar como foi o começo de seus empreendimentos na ULG.

Em seguida, o jornalista indaga sobre o repositório e o mandato da ULG. Nesta parte, o reitor fala de sua motivação no desenvolvimento do ORBi e da adoção do mandato, jutificando a sua necessidade.

A seguir o Prof. Rentier fala dos incentivos necessários para que o ORBi realmente funcionasse como o depositário legal da produção científica da ULG. Ele mostra que os incentivos são estímulos naturais aos pesquisadores e, que a partir do momento em que estes experimentam o auto-depósito e, vêem os seus benefícios, as coisas tendem a se concretizar sem necessidade de qualquer castigo ou promessa. Os próprios pesquisadores entendem e são automaticamente convencidos dos benefícios proporcionados pelo auto-depósito e pelo repositório institucional.

A entrevista mostra que a construção e implantação de um repositório institucional, acrescido de um mandato é uma tarefa plenamente viável. Aliás, uma tarefa que exige baixíssimo investimento, mas infelizmente essa questão não foi abordada. Devo dizer que o investimento é praticamente zero, uma vez que os aplicativos para criação de um repositório institucional já existe e utiliza pacotes de software open source, portanto, software livre de custos. A tecnologia já é totalmente dominada e existem diversas metodologias prontas para serem utilizadas. Portanto, não existe qualquer complicação ou dificuldade. Entendo que esse empreendimento é dependente, especialmente, da boa vontade dos dirigentes universitários ou governamentais, em alguns países.

Um outro ponto importantíssimo abordado pelo jornalista com o entrevistado foi tentar desvendar qual era o argumento essencial para o OA. O Richard Poynder põe o dedo na ferida indagando ao reitor: existem cerca de 10 mil universidades ao redor do globo terrestre, por que somente a ULG e algumas outras poucas universidades perceberam a importância do OA para as suas comunidades acadêmicas? Eu iria mais longe, por que majoritariamente as universidades de países desenvolvidos aderiram ao OA, enquanto universidades de países em desenvolvimento, como o Brasil, raramente, tem aderido ou vem aderindo mais preguiçosamente? Uma excelente questão para discussão.

A entrevista entra, neste ponto, em um outro tema muito polêmico: Via Verde x Via Dourada. Conforme vem sendo discutido, internacionalmente, e indicam relatórios de estudos recentes, a Via Verde é a estratégia preferencial e que certamente levará à implantação universal do OA.

A entrevista mostra que Bernard Rentier não se contenta apenas em empreender a implantação da estratégia da Via Verde em sua universidade, ele é hoje o presidente da EOS – Enabling Open Scholarship, uma organização não governamental criada para convencer reitores e outro dirigentes a aderirem ao OA e empreender as estratégias do OA em suas universidades ou Países.

Finalmente, Richard Poynder conclui a entrevista com chave de ouro, comentando e mostrando algumas habilidades pessoais do reitor e Prof. Bernard Rentier, coloca a cereja no bolo, declarando: Não apenas uma mudança, mas uma revolução global.

junho 22, 2011 Posted by | Entrevista | , , , , | 6 Comentários

Via Verde x Via Dourada Parte VIII – Entrevista concedida pelo reitor Bernard Rentier ao jornalista Richard Poynder

RP: Você está particularmente associado à estratégia da via Verde do OA. Quais são os seus pontos de vista sobre os prós e contras das duas estratégias: Via Verde e Via Dourada?
BR: A estratégia da Via Verde do OA fornece resposta imediata às necessidades da universidade, e dá visibilidade imediata aos pesquisadores de uma instituição. Se a estratégia da Via Verde crescer de forma constante, como está fazendo atualmente, ele irá conduzir à Via Dourada do OA. Então, para mim a Via Verde é um caminho para o OA, mesmo que seja difícil de avaliar o tipo de linha de tempo enfrentaremos

RP: Os editores muitas vezes argumentam que a estratégia Via Verde do OA ameaça tanto os seus negócios individuais como as publicações acadêmicas/científicas em geral, particularmente se um grande número de artigos são colocados em acesso livre sem um período de embargo adequado. Você concorda que existem perigos aí? Em caso afirmativo, como podem ser evitados?
BR: Eu não acredito que seja o caso. Alguns exemplos demonstram isto. Certamente, para editores regionais, particularmente, em línguas locais como o francês, é uma grande vantagem.
Por exemplo as editoras de nossa universidade, que eram, naturalmente, inicialmente fortemente contrária à minha política de leitura livre, percebeu que o mandato verde OA (ou seja, depositar as publicações em repositórios como ORBI) serviu para ampliar seu perfil em outros países de língua francesa, tais como: a França, Suíça e Canadá/Quebec.
Este por sua vez, aumentou o número de assinaturas junto a pessoas que querem folhear a revista inteira, em vez de apenas ler um artigo único que eles encontraram no ORBI. Este é um efeito inesperado e indireto, mas demonstra que a tornar artigos acessíveis livremente não prejudica as vendas. Pelo contrário, aumenta a sua visibilidade fora dos mercados tradicionais.

RP: Em sua visão, qual é o período ideal de embargo?
BR: Pelas razões que descrevi acima, não vejo necessidade de qualquer tipo de embargo. Até hoje, este ponto não foi entendido pelos editores. Eles devem ver a disponibilidade imediata de um artigo, em acesso livre, como um trailer para a venda da revista completa. No entanto, reconheço que os editores verão isto como uma estratégia arriscada, por isso os benefícios terão de ser demonstradas ao longo do tempo. Nesse meio tempo, eu diria que um embargo de seis meses é razoável.

RP: A ULG apoia a estratégia Via Dourada?
BR: Não de uma forma muito coercitiva. No entanto, oferecemos a oportunidade de publicar trabalhos em OA diretamente através do PoPuPS.

RP: Isto seria o Portal for the Publication of Scientific Journals? Eu estaria correto em pensar que PoPuPS é uma plataforma de publicação desenvolvida para permitir aos pesquisadores da ULG publicar seus próprias periódicos?
BR: Sim. Já existem 13 revistas aderentes à estratégia Via Dourada do OA em linha. E desde 2006 operamos também um programa chamado Bictel/e. Este é um repositório de teses da ULG. Todas as nossas iniciativas OA estão descritos na web.
A propósito, nós apoiamos também, financeiramente, quaisquer autores que queiram publicar em revistas de acesso livre, tais como aqueles publicados pelo BioMed Central (BMC).

RP: Você quer dizer que a Universidade de Liège tem um fundo de apoio à OAVia Dourada OA, ou que se inscreve em programas de afiliação operados por editoras OA como BMC, que permite que pesquisadores publiquem em revistas OA, sem qualquer custo para si mesmos, ou pelo menos a uma taxa reduzida?
BR: Nós temos um fundo OA limitado, mas nós, de fato, compramos opções de desconto junto ao BMC, e usamos o fundo para apoiar os nossos pesquisadores que publicam em revistas do BMC.

junho 18, 2011 Posted by | Entrevista | , , , , , , , , | 1 Comentário

Argumento essencial para o OA – Parte VII – Entrevista concedida pelo reitor Bernard Rentier ao jornalista Richard Poynder

Richard Poynder

RP: Disseram-me que há cerca de 10.000 universidades/centros de pesquisa no mundo. De acordo com o sítio ROARMAP existem apenas cerca de 120 mandatos institucionais. O que a Universidade de Liège – e as outras instituições que estabeleceram seus mandatos – perceberam que a grande maioria das instituições de ensino superior e de pesquisa parecem ainda não terem percebido?

Bernard Rentier

BR: Francamente, eu não sei. Talvez a diferença resida no grau de preocupação
sentido pelo(s) dirigente(s) universitário(s) e sua habilidade, paciência e teimosia em persuadir seus autores a jogar o jogo. Então, talvez se possa dizer que a diferença está
na capacidade da instituição em fazer da filosofia OA um grande valor moral a que a maioria dos seus membros se sintam capazes para se inscrever. No início aqui na ULG a adesão foi baixa e a resistência foi muito forte. Qualquer pretexto era considerado bom o suficiente para não participar.
Mais recentemente, comecei a receber comentários positivos freqüentes sobre quão agradável e inesperadamente útil é a ferramenta repositório.

RP: Acho que isso nos diz que os dirigentes de universidade precisam ser persistentes na defesa do OA. Mas diga-me, quando você fala sobre o “grau de
preocupação” sentido por dirigentes universitários, que tipo de preocupação você está se referindo? Dito de outra forma, qual é o argumento essencial para o OA a partir da perspectiva do dirigente de uma universidade?
BR: Preocupação com o custo de periódicos acadêmicos/científicos; preocupação em ter um inventário da produção da universidade; e preocupação em ter uma vitrine do desempenho da pesquisa da universidade.

RP: Um número de agências de fomento à pesquisa também adotou mandatos OA aderrentes à Via Verde, e alguns criaram seus próprios repositórios centrais – por exemplo, PubMed Central. Você saúda estas iniciativas?
BR: Estabelecer seu próprio repositório é certamente uma coisa útil para uma agência de fomento. É absolutamente essencial para que eles possuam cópias de toda a literatura produzida a partir da pesquisa que financiaram. Mas esta será sempre uma coleção incompleta do corpus, uma vez que conterá somente os resultados da pesquisa que eles próprios financiaram. Apenas repositórios institucionais podem fornecer cobertura completa.

RP: Essencialmente, você está falando sobre a diferença entre tentar criar um sistema centralizado (quando não há nenhuma autoridade central), em vez de explorar a natureza em rede da Web para criar (1) um modelo distribuído com base na agregação ao invés de (2) centralização. Você está dizendo que o último (1)
inevitavelmente proporciona um retrato mais completo?
BR: Sim. E por esta razão repositórios das agências de fomento devem realmente
Ter um único objetivo, o de colher metadados a partir de repositórios institucionais. Para isso, é claro, seus repositórios terão de ser compatíveis com repositórios institucionais (RI), o que significa que RIs também precisam ser construídos com os padrões reconhecidos, e obedecer a certas regras.
Por exemplo, precisamos desenvolver padrões bem definidos para que as publicações depositadas, em RI, possam identificar qualquer agência de fomento que tenha dado apoio aos pesquisadores que as produziram.

RP: Os governos têm um papel a desempenhar para facilitar o OA? Em caso afirmativo, qual o papel?
BR: Se eles financiam pesquisas, sim. Da mesma forma, se eles operam esquemas de avaliação de pesquisa para ajudá-los a decidir que subsídios oferecer a instituições de pesquisa também têm um papel a desempenhar.

RP: Estou certo em pensar que você espera persuadir o Fundo Nacional de Pesquisa da Bélgica a considerar a adoção de um mandato OA verde?
BR: Absolutamente, sim. E eu gostaria de vê-lo diretamente conectado com a sua elegibilidade para concessões futuras.

junho 17, 2011 Posted by | Entrevista | , , , , , , , | 1 Comentário

Enabling Open Scholarship – Parte IX – Entrevista concedida pelo reitor Bernard Rentier ao jornalista Richard Poynder

RP: Você também é presidente da organização Enabling Open Scholarship (EOS), que foi lançado em setembro de 2009. Qual é o propósito e missão da EOS, e quais os resultados obtidos até hoje?
BR: A EOS se propõe a convencer os dirigentes universitários de todo o mundo da necessidade do acesso livre (OA) e ensiná-los a como proceder.
Além de algumas “conversões” não temos tido muito sucesso, até agora. Mas só muito recentemente a EOS tornou-se pessoa jurídica de direito belga (na verdade, o processo não está totalmente concluído até o momento), então as nossas actividades têm sido um pouco limitadas até esta dara.

RP: O que os dirigentes de universidade precisam saber sobre o OA, e como a EOS procede?
BR: Eles têm que entender o quanto é importante, para a sua instituição, se libertar do pesado fardo de pagar demais para manter as coleções de revistas científicas em suas bibliotecas, especialmente à luz da atual explosão nos preços de assinaturas dessa publicações.
E eles têm que entender que seus pesquisadores produzem, controlam a qualidade e consumem conhecimento. Mas enquanto esses pesquisadores contribuem em todas as três etapas do processo, as instituições acabam pagando pelo conhecimento, pelo menos duas vezes.

RP: Você quer dizer que as instituições de pesquisa (muitas vezes financiadas pelos governos) criam o conhecimento, em primeiro lugar, seus pesquisadores, então, produzem os documentos e realizam a revisão pelos pares, mas as instituições têm que comprar de volta o conhecimento dos editores na forma de assinaturas de revistas?
BR: Exatamente! Os dirigentes de universidades também precisam perceber que a Via Verde do OA é o caminho para se alcançar a Via Dourada do OA. E eles devem ver o benefício para os seus pesquisadores e para a sua instituição ao colocar à sua disposição, uma vitrine para o seu trabalho, depositando-os em seus RI. É inconcebível nos dias de hoje que uma instituição possa permanecer Inconsciente da maioria da produção de suas próprias pesquisas publicadas. Nenhuma fábrica iria aceitar isso. Aqueles que não têm interesse em OA, por si só, deveriam pelo menos ver o valor em uma universidade da manutenção de um inventário do trabalhos que produz.
Finalmente, eles devem compreender que o RI pode agregar uma grande contribuição para a reputação da sua instituição.

RP: Que tipo de resposta que você obtem de suas contrapartes em outras universidades, quando você fala a eles sobre o OA?
BR: Cinco anos atrás, eu costumava ter uma recepção muito positiva. Eu diria que era barulho demais – e para que benefício?
Hoje, no entanto, há um grande interesse – na Bélgica, França, Itália, Espanha e Portugal, até o momento.
Outros reitores e vice-chanceleres devem agora todos se unirem para que o movimento torne-se irresistível.

junho 16, 2011 Posted by | Entrevista | , , , , , , , , | 1 Comentário

Não apenas uma mudança. Mas, uma revolução global – Parte X – Entrevista realizada por Richard Poynder (RP) com o reitor Bernard Rentier(BR)

Para fechar esta brilhante entrevista, o Prof. fala um pouco de suas experiências pessoais e expectativa sobre o futuro do OA.

RP: Em sua opinião, hoje, quais são os principais obstáculos ao OA?
BR: Os obstáculos que eu vejo são: a insuficiente mobilização por parte de dirigentes universitários (e centro de pesquisa) em favor da causa; pesquisadores com medo das questões jurídicas levantadas pelo OA; pesquisadores preocupados que o OA signifique desistir de publicar em revistas de prestígio ou com uma grande reputação ou em revistas que eles possam conhecer seus trabalhos e que serão vistos por seus colegas em todo o mundo, e que têm um alto fator de impacto e assim por diante.
Isto significa que o que é necessário é uma transformação na cultura atual de avaliação. Só então podemos esperar que as coisas mudem drasticamente.

RP: O que você diria que aprendeu com sua experiência de introduzir o OA na Universidade de Liège?
BR: Desenvolvi uma visão mais ampla sobre os princípios de publicação. Levaria muito tempo para explicar aqui, mas construí uma filosofia pessoal sobre o assunto. E isso me levou a repensar completamente os objetivos e métodos de comunicar o progresso da ciência e do conhecimento.
Espero um dia ser capaz de explicar isso mais claramente. Talvez quando eu me aposentar eu escreva um livro sobre o assunto!

RP: Quando e como você acha que a comunidade de científica vai atingir o OA universal?
BR: Universal OA levará muito mais tempo do que eu pensava antes. Mas cada passo é útil em si mesmo.

RP: De que maneira você espera que a pesquisa mudará, no mundo, com o OA universal?
BR: Este é um tópico muito amplo para discutir, e vale à pena um segundo livro! Mas eu acredito que ele vai proporcionar maior transparência à em ciência, especialmente quando vier o open data. Espero uma tremenda mudança na forma de fazer pesquisa, e disseminá-la. Na verdade, não apenas uma mudança. Mas, uma revolução global.

RP: Finalmente, em uma nota pessoal, a sua colega – e colaboradora no EOS – Alma Swan me disse que você é jardineiro cuidadoso e um excelente fotógrafo. Gostaria de saber se essas habilidades teriam desempenhado algum papel na sua conversão OA: cada jardineiro quer uma boa loja para seus produtos acho, e cada fotógrafo quer ter um portfolio de seu trabalho para mostrar seus talentos. Eu estou na pista certa?
BR: Você está completamente errado sobre a jardinagem. Eu, ocasionalmente, só ajudo a minha esposa! Entretanto, amo fotografia – contudo, “excelente” pode ser um exagero (Obrigado Alma!). E, concordo que eu tenha um sistema de arquivamento perfeito para as dezenas de milhares de fotos que tirei ao longo dos últimos 43 anos, e são poucas aquelas que eu não seria capaz de encontrar facilmente.
Dito isto, eu antecipei o depósito de quase todos os meus trabalhos científicos de um longo periodo de tempo no repositório. Felizmente, agora se tornou uma realidade e eu gostaria que estivessem disponíveis todo esse tempo.
Você sabe, eu estou convencido de que os cientistas, hoje, são mimados pela escolha, quando chegam ferramentas, disponíveis, como agora, (incluindo ser capaz de saber a qualquer momento quem está citando o seu trabalho e como), e eu só queria que eles percebessem, plenamente, quão agradável e útil é tê-los.
Eu mesmo sou um blogueiro e um tweeteiro, por isso estou realmente convencido de que há um novo campo de comunicação aberto para a ciência, e estamos apenas testemunhando o seu início …

RP: Essa é uma boa nota para terminar. Eu só quero acrescentar que as suas fotografias são realmente fantásticas. Gostei especialmente da foto dos três homens escavando as ruas de Londres, em 1975, para colocar tubulações. Talvez seja essa a situação que o movimento OA se encontra atualmente: no processo de criação da infra-estrutura necessária para a revolução global na comunicação científica a que você se refere. E que às vezes exige sujar as mãos, aceitando o fato de que as pessoas tendem a se queixar do incômodo provocado por este trabalho, e temem que possam cair em um dos buracos temporários. Mas desde que OA é uma causa de valor, tais inconvenientes apenas deverão ser tolerados. Ah, e como todos os grandes projetos de construção, a tarefa sempre leva muito mais tempo do que o inicialmente previsto.

Foto extraída do arquivo pessoal do reitor Prof. Bernard Rentier


RP: Obrigado por ter tempo para falar comigo, e se divertir no jardim!

junho 16, 2011 Posted by | Entrevista | , , , , , , , | 1 Comentário

Entrevista realizada por Richard Poynder (RP) com o reitor Bernard Rentier(BR)… Parte VI – Uma tarefa inteiramente viável

RP: Os pesquisadores depositam os seus artigos no ORBi, ou o processo é mediado pelos bibliotecários?
BR: Nós preferimos que os pesquisadores o façam. Em termos de qualidade, é muito melhor que se faça dessa forma, e o depósito se realiza com maior rapidez.
Aqueles que têm secretária, eventualmente, solicitam a elas que façam o depósito por eles. Outros podem até mesmo contratar alguém para depositar o artigo para eles. Infelizmente, a qualidade dos metadados é menor em tais circunstâncias, dado que os intermediários são, inevitavelmente, menos familiarizados com os detalhes das publicações.

RP: Então, depositar não é uma tarefa insignificante?
BR: Pode ser uma carga de trabalho enorme inicialmente, caso alguém tenha publicado muitos artigos, até que todos estejam dentro do ORBi. Mas, uma vez que o pesquisador tenha atingido o modo cruzeiro de operação, ou seja, tenha adquirido a habilidade necessária, é uma tarefa perfeitamente viável.
Se as pessoas estão claramente se esforçando para fazer o depósito, no entanto, iremos fornecer ajuda. Geralmente, isto acontece quando há perda dos manuscritos e, aí é necessário então digitalizar os textos e fazer reconhecimento de caracteres.

RP: Claramente o sistema funciona. Hoje o ORBi é o repositório institucional mais ativo, entre seus congêneres, no mundo (é o primeiro do ranking de 1418 RIs). Mas, há alguma evidência para mostrar que, tornando os artigos OA, tenha aumentado o impacto e/ou a contagem de citações para os pesquisadores da Universidade? E, há alguma evidência de que, tornando os resultados das pesquisas da Universidade OA, tenha melhorado a sua reputação, status ou perfil dentro da comunidade científica?
BR: No início, não havia nada para falar, e foi necessário muito convencimento de minha parte para manter o ritmo. Para ajudar nisso, eu usei meu blog, que é amplamente lido dentro da universidade, e eu aproveitava todas as oportunidades que apareciam para expor sobre o assunto.
Eu assumi um fardo muito pesado para mim, mas está provado que valeu à pena – recentemente comecei a receber uma série de comentários de pesquisadores, dizendo ter uma clara impressão de que eles estão sendo mais lidos do que eram antes.
Alguns também estão agora começando a montar alguns dados mais sólidos para mostrar que eles são citados com mais freqüência do que costumavam ser. E muitos relatam que os artigos que eles têm no repositório sob embargo temporário estão sendo solicitados reprints com muito mais freqüência do que costumava acontecer no passado.
Claro, isso tende a ser tudo bastante impressionante. Eu não tenho qualquer cálculo objetivo para demonstrar este
efeito. Mas eu acho que seria difícil, se não for possível, de qualquer forma, fazê-lo de forma convincente.
Eu acrescentaria uma outra coisa: muitas pessoas, inclusive eu próprio, tenho notado que os nossos velhos artigos começaram a viver uma nova vida. Por exemplo, um de meus artigos, publicado em 1985, e que já tinha sido completamente esquecido, começou uma nova carreira, e agora está sendo baixado (downloaded) com freqüência !

junho 16, 2011 Posted by | Entrevista | , , , , , | 1 Comentário

Entrevista realizada por Richard Poynder (RP) com o reitor Bernard Rentier(BR)… Parte V – Incentivo

Richard Poynder

Segue a entrevista, na sua parte V, enfocando o tema INCENTIVO, muito interessante.

RP: Então, o mandato tornou obrigatório, à todos os pesquisadores da Universidade de Liège (ULG), o depósito de seu trabalho no ORBi?
BR: O mandato é na realidade um mandato “falso”. Nada acontece para aqueles que não depositam suas publicações no ORBi.

RP: Mas você fornece algum tipo de incentivo aos pesquisadores para cumprí-lo?
BR: O que acontece é que quando tomamos decisões sobre a promoção de um pesquisador, ou a concessão de uma subvenção, só levamos em consideração as publicações que o pesquisador depositou no ORBi. Todos os funcionários são informados de que as publicações apresentadas em qualquer outro meio (papel, disco, email, etc) não podem mais ser tratados em nosso novo sistema. Ou seja, apenas os documentos depositados são considerados para fins de avaliação de desempenho.

RP: Então, hoje, o ORBi é o único mecanismo, por intermédio do qual, os pesquisadores da ULG podem submeter os seus artigos para avaliação de desempenho?
BR: Correto. Isto significa que todos os pesquisadores estão ansiosos para ver o repositório alimentado, na medida em que o seu próprio trabalho está em causa, no mínimo. Mas não se trata apenas de uma questão dos pesquisadores se preocuparem com a possibilidade de serem subvalorizados ou desconsiderados publicamente. Como você diz, nós também fornecemos alguns incentivos fortes para estimular o cumprimento do mandato.

RP: Você poderia dizer algo mais sobre esses incentivos?
BR: O ORBi publica permanentemente estatísticas atualizadas de downloads – uma espécie de “hit parade”, se você prefere, – mostrando quais são os artigos que são mais baixados, e que autores são mais freqüentemente consultados. Nós também fornecemos links diretos para quaisquer citações induzidas por esses artigos.
O relatório, que é gerado automaticamente pelo ORBi, é apresentado de forma lógica, clara e em conformidade com os valores tradicionais de importantes áreas de pesquisa. Também pode ser usado para gerar uma lista de publicações para CV, podendo ser atualizado e impresso a qualquer momento em formato definido pelo autor.
Como resultado disto, temos sido capazes de demonstrar aos nossos autores que o sistema foi, realmente, projetado para o seu próprio benefício, e de maniera a aumentar a sua visibilidade e leitores.
Assim, há uma série de vantagens, óbvias, para os pesquisadores depositarem os seus artigos no ORBi: o repositório lhes proporciona um meio de divulgar seu trabalho, de graça, para todo o mundo e oferece-lhes um arquivo seguro e permanente (tanto para seu trabalho em curso como para a sua obra completa), e fornece um lugar onde eles podem postar seus dados de apoio inéditos, não publicados (e impublicáveis).
Ele fornece um ponto único de entrada, mas várias opções de saída, permitindo, os pesquisadores, gerar CVs, listas de publicações etc; e fornece uma ferramenta para avaliar a qualidade da sua pesquisa, e uma eficiente ferramenta de marketing pessoal.

RP: O mandato da ULG se aplica apenas aos artigos publicados em revistas, ou inclui livros, apresentações e outras formas de apresentação de resultados de uma pesquisa?
BR: O nosso mandato é composto de dois elementos:

1. As referências (metadados) de todas as publicações de todos os autores da ULG, publicados desde 2002, devem ser depositados no ORBi;
2. O texto completo de todos os artigos científicos publicados desde 2002 e todas as teses de doutorado devem ser depositados. Para os artigos mais velhos e para outros tipos de publicações (capítulos, livros, etc) é opcional (Na prática, os autores geralmente depositam mais texto completo do que o necessário!)

Dito isto, todas as categorias de publicação são bem-vindas, embora a classificação para fins de avaliação de desempenho seja extremamente rigoroso. Um resumo de conferência ou um livro popular, por exemplo, não pode ser incluído em uma lista de artigos, revisado por pares, em revista internacional.
Assim, muitos tipos diferentes de trabalho podem ser depositados, mas cada item é claramente reconhecido e rotulado para o que é.
Com certeza, a minha esperança é que muitos outros tipos de informações sejam armazenados no ORBI – incluindo dados brutos, resultados negativos, os resultados não publicados ou impublicáveis, etc. Na verdade, os dados brutos já podem ser depositado. É o que chamamos de “material adicional”, e pode ser carregado pelos autores com o acompanhamento de seu texto integral.
Mas o importante é rotular as coisas de forma adequada.

RP: Os dados de depósito que você forneceu sugerem que há cerca de 25.000 registros no ORBi que não incluem o texto completo? Isso é problemático?
BR: Esse número está correto. Cerca de 60% estão disponíveis em texto completo, e cerca de 50% desdes são OA disponíveis. Mas os itens não-texto completo podem ser resumos de conferências, ou podem ser obras que foram publicadas antes de 2002. Como eu disse, nosso mandato exige que qualquer pesquisa publicada depois de 2002 deve incluir o texto completo, mas artigos anteriores podem ser apenas resumos.

RP: Mandatos tendem a variar em suas exigências. Que mandato, na sua opinião, é o ideal?
BR: O meu!

RP: Por quê?
BR: Porque ele não impõe sanções a qualquer pessoa que escolhe ser refratário, ou resistir e não atender ao mandato. Claro, eles não podem esperar qualquer ajuda ou apoio da instituição, e eles se sentirão subestimados pelas autoridades, pelos seus colegas, por pesquisadores externos, e pelo público em geral. Essa é a única consequência em não depositar. Contudo, isto geralmente fornece o estímulo suficiente para incentivar todo mundo a cumprir o mandato.
O outro ponto a destacar é que o repositório é totalmente público, e ainda acessível diretamente através de um link a partir do diretório de pessoal. Ninguém quer que as pessoas pensem que eles não publicaram nada, ou que publicaram menos do que eles realmente escreveram, sozinhoa ou co-autoria.

RP: o estabelecimento de um mandato OA foi resultado de uma iniciativa pessoal sua?
BR: Sim, foi.

junho 15, 2011 Posted by | Entrevista | , , , , , , | 1 Comentário

%d blogueiros gostam disto: