Blog do Kuramoto

Este blog se dedica às discussões relacionadas ao Open Access

Fiocruz institui sua política de Acesso Aberto

marca_fiocruz_topo_inicialNo último diz 31 de março de 2014, a Fiocruz estabeleceu, por meio da portaria do MS/n. 938, a sua Política de Acesso Aberto. De forma pioneira e inédita a Fiocruz pode ser considerada a primeira instituição brasileira à definir e implantar uma Política de Acesso Aberto, de forma correta e em conformidade com as inicitiavas propostas pela BOAI, visto que, no bojo desta portaria, os autores envolvidos em projetos de pesquisa da Fiocruz, são estimulados a autodepositarem os resultados de suas pesquisas publicadas em revistas científicas, no Repositório Institucional ARCA, cuja gestão ficará à cargo de um Comitê Gestor, que será coordenado pela unidade Instituto de Comunicação e Informação Científia e Tecnológica  em Saúde (ICICT), que terá uma coordenação técnica e e uma equipe executiva responsável pelo RI ARCA.

Enfim, pelo teor da portaria que criou  a referida política, a Fiocruz segue de forma fiel e responsável as determinações do BOAI, inclusive, definindo de forma clara, os mecanismos de publicação dos resultados das pesquisas empreendidadas por pesquisadores e técnicos daquela instituição. Um aspecto importante definida na referida portaria diz respeito à questão do autoarquivamento que, ao contrário de outras iniciativas brasileiras, ficará à cargo dos pesquisadores com o conseqüente acompanhamento por parte de técnicos de informação daquela instituição.

Muitos dos leitores deste blog, certamente, serão impactados pela consideração que fiz a esta ação, uma vez que a considerei pioneira e inédita. Assim, faz-se necessária uma explicação. A minha observação se fez necessária, visto que, os pouquíssimos repositórios institucionais brasileiros determinam que o depósito no respectivo repositório institucional seja realizado pelas bibliotecas ou técnicos das bibliotecas e não pelo pesquisador. Ao contrário, a Fiocruz determinou em sua Política de Acesso Aberto, que os pesquisadores façam o autodepósito e não o setor de informação ou bibliotecas da Fiocruz, esse pequeno detalhe fez a diferença. Se os leitores observarem a declaração BOAI, verificarão que assa declaração fala em sua estratégia primeira (I) em autodepósito e não em depósitos por parte das bibliotecas. Portanto, a responsabilidade pelo depósito é, antes de tudo, uma tarefa do pesquisador.

Diante da leitura atenciosa da referida portaria, tudo indica que houve um estudo e intensa discussão da referida política. De nossa parte, resta-nos desejar muito sucesso na implantação do referido repositório e, óbviamente, da referida política. À Fiocruz e aos seus técnicos, especialmente, aqueles da área de informação, os cumprimentos, desejando sucesso, deste blog e deste blogueiro pelo excelente trabalho desenvolvido.

A publicação deste post está um tanto quanto atradada, visto que, essa notícia me foi comunicada em meados do mês de junho, mês que está sendo concluído nesta semana. Infelizmente, devido ao fato de eu estar em férias, somente hoje tive condições para trabalhar na publicação desta matéria. Mas, antes tarde do que nunca.

Anúncios

junho 29, 2014 Posted by | artigo | , , , , | Deixe um comentário

A via Dourada: um longo caminho ainda a percorrer

Stevan Harnad faz uma crítica ao desconhecimento de parte da comunidade científica mundial a respeito das estratégias adotadas pelo movimento OA, vejam o seu blog, em inglês. Farei apenas algumas considerações comentando parte da referido matéria (post de Harnad).

Uma questão bastante questionada por Harnad diz respeito ao fato de muitos confundirem a necessidade de uma publicação de acesso livre ter um modelo de negócio e por extensão algumas pessoas entenderem que os repositórios institucionais (RI) também teriam que ter um  modelo de negócio.

Harnad contesta esse mal-entendido dizendo que os RI não são um substitutivo das  revistas científicas tradicionais (mantidas por assinaturas), mas um complemento, possibilitando acesso livre à todos os usuários aos artigos alí depositados por pesquisadores da instituição que o mantém. Portanto, o RI é de livre acesso à comunidade científica e à sociedade como um todo.

Nessa matéria que mencionei, Harnad tenta esclarecer dúvidas e mal-entendidos existentes no seio da comunidade mundial, especialmente, naquilo que diz respeito à estratégia da via Verde.  Para Harnad, a estratégia concebida como via Verde é a mais factível e e melhor a ser adotada no contexto recente e atual. Não faz sentido a adoção da via Dourada nesse momento, além do fato de que a sua adoção precipitada envolverá em custos exorbitantes.

O que se pode depreender das palavras de Harnad, ao longo desses 10 anos, é que há uma ordem de precedência na adoção das duas estratégias (via Dourada e via Verde) em direção ao acesso livre. Primeiro, deve-se priorizar a implantação dos RI, portanto, o mecanismo principal da via Verde.  Após, consecutivamente, a esta fase, com a consolidação dos RI na maioria das instituições de ensino e pesquisa no mundo, virá a adoção da via Dourada, qdo surgirão revistas científicas de acesso livre, as quais terão um modelo de negócio consolidado diferente do panorama atual. Ao longo da referida matéria, verifica-se a importância da adoção e construção dos RI, o que no Brasil ainda se engatinha.

março 14, 2013 Posted by | artigo | , , , , | 6 Comentários

   

%d blogueiros gostam disto: