Blog do Kuramoto

Este blog se dedica às discussões relacionadas ao Open Access

Open Access: um novo Big Deal?

Seguindo com a tradução da matéria publicada por Richard Poynder em seu blog Open and Shut?Open Access in the UK: Reinventing the Big Deal, onde esse jornalista faz uma série de considerações sobre as últimas iniciativas do governo britânico.

New Big Deal

Isso significa, sugere Harnad,  que os editores  agora serão capazes de fornecer o OA, em seus próprios termos, e não nos termos destinados a proteger os interesses da comunidade científica. Essencialmente, o caminho está livre para que os editores  obtenham suas receitas correntes, em condições adaptadas ao novo ambiente OA, sem resolver o problema da acessibilidade,  que privou a comunidade icentífica,  por tanto tempo. Em suma, implícito no relatório FINCH / RCUK existe uma convicção de que as estratégias do OA não devem ter impacto negativo sobre os lucros das editoras. Com o relatório FINCH / RCUK  diz Harnad, “os editores obtêm suas receitas grotescamente inflados e, em troca  o  mundo se rende à estratégia da via Dourada”

É certamente estranho que, ao recomendar que a estratégia da via Dourada seja priorizada, o relatório FINCH argumente que a estratégia da via Verde  tenha falhado – apesar do fato de que a maioria dos trabalhos que estão hoje disponíveis em OA, são resultados da estratégia do auto-arquivamento (a estratégia conhecida como via Verde do OA), e não da estratégia preconizada pela via Dourada do OA (veja o gráfico abaixo), mesmo não tendo evidências de que a estratégia da via  Verde do  OA tenha prejudicado os lucros dos editores.

Imagem cortesia de Yassine Gargouri

Harnad sempre argumentou que o governo deveria exigir que todas as universidades do Reino Unido impusesse aos seus pesquisadores a obrigatoriedade do auto-arquivamento de suas pesquisas e, caberia ao RCUK fazer cumprir essa determinação, uma vez que, de fato, existe um mandato em vigor desde 2006 que,  sem dúvida, desempenhou com sucesso a implantação da via Verde do OA .  No entanto, o mandato poderia claramente ter sido mais eficaz.  Sua fraqueza fica evidenciada pelo fato de  que o RCUK  nunca fez questão de observar devidamente essa conformidade. “A eficácia do mandato depende da eficácia do cumprimento de verificação de mecanismos”, sugere Harnad, “e o RCUK nunca deu prioridade ao  mandato.”

Por isso, ele diz, “Ao RCUK teria sido muito melhor adotar um mecanismo de verificação de conformidade-benefício para o mandato existente do que se oferecer para pagar pela estratégia da via Dourada.”

Isso é importante, acrescenta, não apenas porque alcançaria o OA mais rapidamente, e economizaria  dinheiro a curto prazo, mas porque forçaria os editores a reduzir o custo de suas operações para o fornecimento da  revisão por pares sozinho – que é tudo o que é necessário em um mundo em rede – e assim reduzir os custos de longo prazo da publicação acadêmica. E isso resolveria o problema da acessibilidade insustentável.

Como está, diz  Harnad, a política RCUK simplesmente abriu o caminho para a reinvenção do Big Deal. Se você pensar sobre isso, diz ele, a política RCUK se resume ao esquema de assinatura do BMC / Springer ” mas, em nível nacional ao invés do  nível institucional.  “O próximo passo é um Big Deal nacional ou mesmo global.”

Ele acrescenta: Desde os anos 90 uma das  “opções” que os editores ofereciam, gentilmente, era a licença, tanto a nível Nacional quanto Global: “Você quer que qualquer um acesse qualquer coisa? Muito bem. Nós os editores queremos também. Concorde com o preço e  você terá o acesso!”

No entanto, nem todos acreditam que isso seja uma coisa ruim – pelo menos, não para Jan Velterop, o ex-funcionário da  AP e um dos arquitetos do primeiro Big Deal. “Eu não me importo com a estratégia da via Verde, diz Velterop, “O que eu não vejo como, remotamente realistica, é a ideia de que primeiro se deve submeter os editores à estratégia da via Verde  antes da consolidação da via Dourada.”

Velterop acrescenta, “A via Dourada é, em grande parte desenvolvida pelos novos editores, e não as tradicionais editoras. Ela deve ser construída ao lado da estratégia da via “Verde”. Que é mais provável para forçar ‘mãos que’ as editoras tradicionais verde ‘sozinho.Por isso, ele diz, um negócio grande nacional é precisamente o que o paciente necessita de hoje.

Consequentemente, ele diz, um pacote Big Deal Nacional é precisamente o que o paciente requer hoje.

Mais precisamente, ele diz, o que é necessário é um “Novo Big Deal” . Diferente do velho “Big Deal”, ele explica, isto compreenderia “uma licença Nacional” que desse ao pesquisador um ponto de acesso e uso livre a todos os artigos que estivessem ainda protegidos por assinatura, além de um serviço nacional de contratos. Este serviço seria necessário para aquisição do ponto de acesso livre e uso das publicações OA para os pesquisadores do Reino Unido, permitindo a eles publicar em revistas OA sem ter que pagar por elas.

 

 

Anúncios

outubro 24, 2012 Posted by | artigo | , , , , , , , , | Deixe um comentário

Open Access: novas ações provenientes dos editores no Reino Unido

Antes de concluir o penúltimo post, a tradução da matéria produzida por Richard Poynder, assinalava:

“Além disso, uma vez que todos os artigos em uma revista científica são únicos, os bibliotecários não estão em uma posição de poder substituir um título caro por  um mais barato. Portanto, há uma enorme pressão sobre as bibliotecas para que sejam assinadas todas as revistas publicadas nas várias áreas da pesquisa em que a instituição atua.”

Essa matéria continua, conforme segue abaixo:

“Por outro lado, os defensores do OA argumentam, com a solução autor-paga adotada pelas editoras que adotaram a estratégia da via Dourada, a decisão de compra é feita pelos pesquisadores, não por um intermediário. E, desde que os autores são capazes de publicar em uma variedade de revistas científicas, eles podem procurar por aí (ou seja, as revistas são substituíveis, e os autores podem – e irão – ao tomar a decisão de compra).

Mas, havia uma mosca na sopa. Como o “Big Deal”, as assinaturas OA são realizadas por intermediários provenientes da classe bibliotecária, de modo que existe uma desconexão no modelo de assinaturas, que muitas vezes continua a existir com a publicação OA. Os modelos de assinatura também tendem a empurrar os autores na direção dos editores que já mantêm contrato com as suas bibliotecas,  o que limita a escolha. 

Além disso, um crescente número de universidades estão criando fundos destinados a subsidiar as publicações de autores interessados em publicar por meio da estratégia da via Dourada. Novamente, a conta não será paga pelo intermediário, não pelo autor. Importante, o recurso não vem do orçamento de pesquisa do autor, então é improvável que o preço seja um fator decisivo quando um autor procura por um periódico OA no qual deseja publicar.

Prioridades

Não é novidade, quando o auto-arquivamento decolou, os  editores logo concluíram que isto representava uma séria ameaça para as suas receitas. E eles responderam de duas maneiras

Primeiro, eles insistiram no embargo ao auto-arquivamento. Exigiram que os pesquisadores esperassen antes de tornar uma cópia de seu artigo disponível gratuitamente na Web – geralmente de 12 meses ou mais.

Segundo, os editores científicos começaram a adotar o OA híbrido. Isso permitiu aos autores publicar seus seus artigos em revistas que se tornaram OA – mas, novamente, mediante o pagamento de um APC. Embora, em teoria, a estratégia OA híbrido não seja diferente da estratégia da via Dourada  (ambos tornam trabalhos livremente disponíveis mediante  o pagamento de um APC), é, geralmente, mais cara do que publicar em revistas que adotam a via Dourada pura. Mais precisamente, o OA híbrido permite aos editores o “double dip” – ou seja, obter receitas, por meio de, ambos os mecanismos,  tanto com os APCs quanto com as assinaturas.

Como as publicações OA vem se desenvolvendo, portanto, espera-se que isto revelará algo mais provável para restringir os preços do que a evaporação dos preços das assinaturas das publicações.   Além disso, para a frustração dos defensores do OA, a quantidade dessas publicações tem crescido muito lentamente. Hoje, apenas cerca de 24% dos resultados das pesquisas, em todo o mundo, são publicadas em revistas OA (35% no Reino Unido), e o crescimento tem se realizado a uma taxa de apenas 1-2% ao ano.

Deve-se também observar que – à exceção da área  biomédica – a quantidade de artigos científicos que são disponibilizados por meio do Acesso Livre, da via Verde do OA é da ordem de 4 vezes a quantidade de artigos que são dispnibilizados por meio da via Dourada.

A comparação feita no parágrafo anterior é importante porque, apesar das vias Verde e Dourada serem vistas como as duas principais estratégias para se atingir o Acesso Livre, no Reino Unido, a mais recente progressão dos fatos indica alterar fundamentalmente esse equilíbrio.

Mais especificamente, no mês de  julho passado, no Reino Unido, o Comitê FINCH publicou um relatório que continha uma série de recomendações sobre a publicação científica/acadêmica. Mais notavelmente, ele recomendava que toda pesquisa financiada com recursos publicos, no Reino Unido, deveria estar livremente disponível em uma base OA. No entanto, ao invés de recomendar a adoção de  todas as estratégias do OA, o referido relatório concluiu que o principal mecanismo a ser adotado seria aquele conhecido por autor-paga OA – tanto para revistas da via Dourada quanto para aquelas que adotam um modelo híbrido.

Resultado, ao invés de reduzir os custos, o relatório FINCH estimou que a sua proposta necessitaria de uma receita adicional da ordem de 40-50 milhões de Libras ao ano, dos quais 38 milhões seriam necessários para pagar a taxa APC.

Não foi surpresa, o fato de muitos reagirem às recomendações FINCH com consternação.  A  queixa era a de que os custos adicionais recairiam desproporcionalmente sobre os ombros de universidades de pesquisa intensiva (nomeadamente o Grupo de Russell).

No entanto, o governo do Reino Unido aceitou a quase totalidade das recomendações FINCH e a Research Councils UK (RCUK) imediatamente publicou uma nova política OA. Esta nova política vai exigir que todos os papers resultantes de pesquisa científica , total ou parcialmente financiada pela RCUK, terá de tornar-se OA. E, como indicado pelo relatório FINCH, RCUK vai exigir que os autores priorizem a estratéga da via Dourada em detrimento da estratégia da via Verde, deixando os repositórios institucionais relegados apenas ao papel de preservação e arquivamento de dados.

Os custos adicionais desta política serão atendidos por meio de subsídios em bloco da RCUK, mas o dinheiro vai sair do orçamento da pesquisa nacional existente, de modo que não haverá dinheiro novo. Além disso, para aplacar o Grupo Russell, o governo do Reino Unido anunciou que irá fornecer um extra de £ 10 milhões.  Isso também não será dinheiro novo, mas virá das “flexibilidades” do orçamento existentes dentro da rubrica para a ciência.

Os maiores críticos do relatório FINCH / RCUK, no entanto, foram os defensores da estratégia da via Verde do OA, como Stevan Harnad, que antecipou que as assinaturas de revistas  (quem ainda publicar a maioria dos artigos revisados ​​por especialistas) vão responder à nova política por meio do  alongamento dos embargos às políticas de auto-arquivamento à ponto de não serem mais compatíveis com a política RCUK, e dizer aos autores que eles devem pagar pelo OA híbrido.

Como Harnad me disse, em Julho passado, se alguém fosse um editor, permitindo a seus autores o pagamento pela publicação de forma aderente à estratégia da via Dourada híbrida (enquanto continua a coletar seu lucro usual provenientes das assinaturas) e, de quebra,  seria aguardado até o cumprimento do embargo à via Verde (ou seja, até a data em que seus netos concluíssem o seu curso superior), para ter certeza de que seus autores paguem pela estratégia da via Dourada híbrida, ao invés de escolher a opção pelo custo-livre que se teme possa vir a representar um risco para as suas receitas de assinaturas!

O entendimento de que a estratégia da via Verd do OA será obsoleta continua. O que se sabe é que, confrontado com as crescentes críticas, o RCUK sentiu a necessidade de fazer uma série de esclarecimentos (por exemplo, aqui e ali). No entanto, recusou-se a alterar a redação de sua política, que afirma claramente que os pesquisadores devem preferir a via Dourada em detrimento da via Verde.”

Esta matéria mostra a força dos editores científicos comerciais, que contra-atacam a estratégia da via Verde do OA, preferindo articular a adoção da via Dourada junto ao governo inglês.

outubro 12, 2012 Posted by | artigo | , , , , , , , , | Deixe um comentário

O relatório FINCH aponta que solução?

A reação às recomendações preconizadas pelo Comitê FINCH, inicialmente positiva, demorou um pouco, mas, finalmente, coma a firme e consistente liderança de Stevan Harnad as coisas começam a se esclarecer, veja o que ele disse em seu blog e que se encontra traduzido abaixo.

“A web é destinada a se tornar o Humankind’s Creative Commons, onde o conhecimento digital é criado em conjunto e livremente compartilhado. Esse termo em inglês poderia ser traduzido como a Criação Comum da Humanidade. No entanto, o termo Creative Commons é um jargão da área do direito autoral que caracteriza um tipo de licença que facilita aos usuários utilizar um bem conforme os termos de uma licença Creative Commons. Assim, aquele termo em  português ficaria melhor assim: Creative Commons da Humanidade.

O Reino Unido tem sido um líder no movimento global em direção ao Open Access (OA) à pesquisa científica mas, muito recentemente, a sua liderança tem sido descaracterizada pela influência conjunta do lobby da bem-intencionada indústria editorial externa, ao Reino Unido mas, prematura e contraproducente, ultrapassando-se o próprio movimento OA.

O resultado foi a extremamente contra-producente recomentação formulada pelo comitê FINCH – FINCH Comitee Recommendation – seguida por uma nova proposta de política, aderente ao OA, concebida pela RCUK – Research Councils United Kingdom que, minimiza o papel do auto-arquivamento, livre de custos, da produção científica (via Verde) em favor do pagamento de assinatura com dinheiro extra, portanto, inflacionando  as assinaturas de periódicos científicos, superando os escassos fundos de pesquisa, em troca de simples artigos OA ( via “híbrido” Dourada). A motivação é reformar a publicação e obter certos direitos de reutilização mas, o provável efeito será a resistência do pesquisador, muito pouco OA, um desperdício dos escassos fundos de pesquisa e a perda da liderança mundial do Reino Unido no movimento OA.

Ainda há tempo para se consertar a política proposta por RCUK. Tentei descrever como e porquê.”

Pelo que se deduz, após toda essa discussão, a indústria editorial científica teve influência no relatório FINH, que recomendou ações que beneficiariam prioritariamente as iniciativas da via Dourada e desczaacterizou as inicitivas da via Verde, deixando os repositórios digitais institucionais para abrigar apenas os dados de pesquisa (Open Data) e literatura cinzenta. Os repositórios institucionais podem abrigar dados e literatura cinzenta mas, não serve apenas para isto.

Não podemos esquecer que Stevan Harnad vinha defendendo a implantação da estratégia da via Verde, como sendo a principal estratégia em direção ao Open Access e no qual se deveria depositar a produção científica das instituições de ensino e pesquisa. É preciso enfatizar que a estratégia da via Verde, no Brasil, coninua sendo a mesma, a de registrar e disseminar a produção científica da instituição que o hospeda. Que as nossas instituições não se deixem envolver por essas discussões no Reino Unido e, que continuem a popular os seus repositórios institucionais com a sua produção científica. Este é o caminho para atingir o Open Access à produção científica brasileira, assim como, para aumentar a visibilidade do que o Brasil produz em termos de pesquisa científica.

agosto 22, 2012 Posted by | artigo, Política OA | , , , , , | Deixe um comentário

O Acesso Livre, aos poucos, se consolida em Países Desenvolvidos

Segundo matéria publicada no  The Guardian, no último dia 17 de julho,  recente anúncio do governo britânico informando que todas as pesquisas financiadas pelo Reino Unido serão  livremente acessíveis, dentro de dois anos, considerada “a mais radical reformulação  nas  publicações acadêmicas desde a invenção da Internet”.  Não se trata de nenhum exagero: a “web” finalmente alcançará o seu objetivo inicial: o livre intercâmbio na pesquisa científica. A recompensa é incalculável: como um guia, a decisão do projeto Genoma em tornar os seus resultados livremente acessíveis permitiu uma economia de cerca de 200 vezes o custo do referido projeto.  Como os resultados foram previamente disponibilizados apenas no meio acadêmico para usos que ainda  inimagináveis, pode-se esperar por avanços significantivos na medicina, educação e indústria.

Mas, a notícia é ainda melhor do que o anúncio sugere. O anúncio do governo é uma resposta ao relatório FINCH, que indica que o custo para transição para o ecossistema do acesso livre  custará entre 50 a 60 milhões de libras  ao ano. Em regiões onde a resposta ao anúncio do governo não é entusiástica, se explica pelo fato de ser necessário um orçamento extra para as dotações existentes.  Mas, estes custos são bastante exagerados. O verdadeiro custo deve girar em torno dos 10 milhões de libras. Enfim, a discussão é longa e os leitores deste blog poderão se inteirar melhor sobre essa matéria clicando aqui.

A conclusão a que se chega, mostrada por esta matéria do “The Guardian”,  é que o Open Access tende a se consolidar, principalmente, em países sérios, cujos dirigentes se preocupam com a comunidade científica e com o seu acesso à informação científica mediante uma utilização consciente dos recursos públicos. É uma pena perceber que Países com menor poder aquisitivo não tem se preocupado com buscar soluções de baixo custo para o acesso à informação científica. Em contrapartida, verifica-se Países com o Reino Unido, os EUA e a própria comunidade européia discutindo e estabelecendo medida para o acesso livre à informação científica.  O Reino Unido mostra, assim, algo mais que se pode aprender, do que apenas os bem sucedidos resultados das provas olímpicas. O tempo passa e não se pode aguardar as olimpíadas de 2016 para tomar alguma atitude. Para tanto, nem é preciso viajar até aquele belo e interessante País.

agosto 2, 2012 Posted by | artigo | , , , , | Deixe um comentário

Mais uma ação da indústria editorial científica comercial: o relatório FINCH

Sevan Harnad publica, em seu blog,  matéria comentando o frustrado Relatório FINCH. Muito interessante a matéria, e que, a partir de agora, tomo a liberdade de emprestar tal matéria e publicá-la, neste blog, para conscientizar a nossa comunidade científica sobre as artimanhas utilizadas no discurso de combate às estratégias do Open Access.  Segue a referida matéria.

O relatório FINCH, sob forte e palpável influência do lobby editorial científico, em vez de recomendar, ampliar e otimizar a liderança mundial do Reino Unido no uso da estratégia da via verde do OA – sem custos, por meio de mandatos de auto-arquivamento em repositórios institucionais e centrais (repositórios mantidos por agências de fomento), recomendou abandonar a referida estratégia, via verde, (Green OA) e, em vez de gastar dinheiro extra (£ 50-60 milhões anuais) para o pagamento de taxas aos editores, utilizando a via Dourada OA (Golden OA), bem como um cobertor do Reino Unido em taxa de licença de sítios nacionais para cobrir tudo o que não é ainda aderente à estratégia da via Dourada OA (ou seja, todas as revistas que as instituições do Reino Unido atualmente assinam, um pouco como os “Big Deal” dos editores comerciais tiveram sucesso de negociação com as instituições, individualmente, e via consórcios , como o do Portal de Periódicos da Capes):

A via Verde segundo o relaório FINCH: “As políticas aderentes à via VERDE, sejam aquelas promovidas por agências de fomento ou aquelas promovidas pelas universidades e institutos/centros de pesquisa, não tiveram, ainda, maiores efeitos no sentido de garantir que os pesquisadores tornem suas publicações acessíveis em repositórios institucionais…[então] a infraestrutura de repositorios institucionas/centrais deveria [em vez disso] ser desenvolvida para desempenhar um valioso papel complementar à publicação formal, particularmente no fornecimento de acesso aos dados de pesquisa e a literatura cinzenta, e na preservação digital (nenhuma menção da via VERDE)…”

A via Dourada segundo o relatório FINCH: A estratégia “Golden road” de acesso público, financiada por meio do pagamento de taxas de artigo, deve ser vista como “o principal veículo para a publicação de pesquisas” … agências de fomento públicas devem criar “mecanismos mais eficazes e flexíveis” para pagar [OA Gold] as taxas de artigo … durante a transição para [Gold] o acesso livre, o financiamento deve ser extendida as licenças [assinaturas], para conteúdo de acesso não-livre à todo o ensino superior do Reino Unido e sectores da saúde …

Agora, vejam abaixo, estão alguns números reais que estão por trás das afirmações acima. Deixo que os leitores tirem suas próprias conclusões sobre o relativo sucesso em termos de custos, benefícios, custo-efetividade, potencial de crescimento e um calendário de obrigatoriedade Verde OA vs financiamento Ouro OA. Para efeito de melhor visualização dos gráficos clique em cima deles para que sejam melhor visualizados.

1. Mandated vs Non-mandated OA Green:

Relação de instituiçõs que adotaram o mandato da via Verde

Relação de instituiçõs que adotaram o mandato da via Verde



















2. Crescimento na adoção de mandatos via verde (OA Green)

Crescimento de mandatos Green OA

















3. Crescimento da adoção da via Verde por áreas do conhecimento

Crescimento na adoção à via Verde, no período de 2009-2011



















4. Crescimento da adoção da via Dourada, no período de 2003-2011 (Nature, 2012)

Crescimento na adoção da via Dourada

























5. Crescimento projetado da via Dourada OA (70% in 2020 or 2026; 100% in 2022 or 2029):

Crescimento projetado da adoção da via Dourada

















6. Comparação do crescimento da adoção entre a via Dourada e a via Verde por área do conhecimento

Comparação entre o crescimento da adoção da via Dourada e via Verde por área do conhecimento



















7. Dados relativos de publicações, aderentes às estratégias, via Dourada e da via Verde, no Reino Unido

Dados relativos de publicações aderentes à via Dourada e à via Verde no Reino Unido




























8. Vantagem relativa do impacto de citação de publicações OA sobre aquelas não OA

Vantagem do Impacto da citação de publicações OA. (OA vs non-OA)














9. A vantagem econômica oferecida pelo OA ao Reino Unido

Vantagem econômica proporcionada pelo OA ao Reino Unido























Referências Bibliográficas

Gargouri, Y., Hajjem, C., Lariviere, V., Gingras, Y., Brody, T., Carr, L. and Harnad, S. (2010) Self-Selected or Mandated, Open Access Increases Citation Impact for Higher Quality Research. PLOS ONE 5 (10) e13636

Harnad, S. (2007) The Green Road to Open Access: A Leveraged Transition. In: Anna Gacs. The Culture of Periodicals from the Perspective of the Electronic Age L’Harmattan. 99-106.

Harnad, S. (2010) No-Fault Peer Review Charges: The Price of Selectivity Need Not Be Access Denied or Delayed. D-Lib Magazine 16 (7/8).

Harnad, S. (2010) The Immediate Practical Implication of the Houghton Report: Provide Green Open Access Now. Prometheus 28 (1): 55-59.

junho 23, 2012 Posted by | artigo | , , , , , , | Deixe um comentário

   

%d blogueiros gostam disto: