Blog do Kuramoto

Este blog se dedica às discussões relacionadas ao Open Access

OA: tentando esclarecer conceitos V – como tudo começou?

Qual a origem do movimento Open Access? O que motivou o surgimento desse movimento?

Muitos entendem que o OA surgiu a partir do surgimento das TICs e das publiccações eletrônicas. Esta é uma das causas, mas não é a única. Na realidade a história é bem mais dramática e ela existe ainda hoje. Trata-se das barreiras provocadas pelo alto custo das assinaturas das revistas científicas.

Hoje, certamente, os colegas que se encontram na faixa etária situada entre 20 e 30 anos não devem se lembrar do tempo em que a economia brasileira lutava contra as altas taxas inflacionárias, galopantes, que engoliam os nossos salários em um mês, de tal forma a enfraquecer o nosso poder de compra já nos primeiros 15 dias de cada mês. Mas, certamente, os colegas cinquentões se lembram dessa época. Quantas mágicas fazíamos para manter as nossas famílias?

Pois então, os periódicos científicas passaram e passam pelo mesmo fenômeno. Segundo levantamento realizado pela Association of Researh Libraries as suas bibliotecas membro tiveram um incremento de cerca de 321% na manutençã o de suas coleções de revistas científicas e livros, no período de 1986 a 2006, enquanto o incremento no índice de preços ao consumidor foi de 78% no mesmo período. [SWAN, 2008, p. 160].

Apesar de esses números se referirem aos EUA, na realidade, trata-se de um fenômeno mundial, pois, essas revistas científicas são fornecidas por grandes editoras a todas as bibliotecas em qualquer parte do globo terrestre. Então uma revista adquirida por uma biblioteca de universidade americana é também adquirida por bibliotecas universitárias brasileiras ao mesmo preço.

A diferença é que as revistas científicas não são ítens de consumo da sociedade como um todo e, em tese, o cidadão comum não sofre os efeitos dessa escalada de preços e, com certeza, o seu poder de compra não é afetado diretamente. No entanto, os orçamentos das bibliotecas universitárias, assim como, de quem as mantêm é afetado pesadamente. Esse cenário, que se agravou a partir da década de 90, recebeu o apelido de crise dos periódicos científicos. Em consequência, as bibliotecas universitárias e das instituições de pesquisa encontraram dificuldades em manter as suas coleções de revistas científicas.

O fenômeno como disse no início deste post é muito parecido com aquele vivido pelos chefes de família, só que neste caso, foram as bibliotecas que se defrontaram com a queda do seu poder aquisitivo para manter as suas coleções de revistas científicas, face ao seu orçamento inelástico versus os crescentes aumentos de preços das assinaturas, cuja taxa de crescimento tem sido na ordem de dois dígitos.

O antídoto utilizado pelo governo brasileiro para normalizar a situação caótica em que o povo brasileiro vivia foi o Plano Real.

O antídoto que vem sendo utilizado pela comunidade científica internacional para superar essa crise são as estratégias do Open Access: via Dourada e via Verde. Conforme já foi intensamente divulgado por este blog, a via Verde é que apresenta melhor relação custo/benefício. Um belo exemplo de iniciativa preconizada pela via Verde é mostrada pelo reitor da Université de Liège, prof. Bernard Rentier, leia a sua entrevista.

Anúncios

setembro 22, 2011 - Posted by | artigo, conceitos | , , ,

Nenhum comentário ainda.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: