Blog do Kuramoto

Este blog se dedica às discussões relacionadas ao Open Access

Acesso Livre no Brasil: alguma coisa funciona

Já faz algum tempo, diversos alunos de mestrado/doutorado vêm realizando suas pesquisas em torno do tema Open Access (OA). Amanhã, por exemplo, dia 02/09/2011, será defendida, na Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), a dissertação sob o título: Acesso Livre: um olhar sobre a preservação digital, em cuja banca examinadora terei o prazer de participar via skype. de autoria de Susimery Vila Nova, sob a orientação do Prof. Marcos Galindo.

Recentemente, foi defendida uma outra dissertação, também sob o mesmo tema, OA, intitulada “Repositórios de Instituições Federais de Ensino Superior e suas políticas: análise sob o aspecto das fontes informacionais”, de autoria de Augiza Karla Boso, na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), conforme notícia no sítio da Fundação Universidade Federl do Rio Grade (FURG). Esta dissertação é fruto de uma pesquisa que analisa 97 Instituições Federais de Ensino Superior (IFES) brasileiras: 57 universidades federais, 38 institutos federais e dois centros federais de educação tecnológica. Dentre estas, 23 IFES (todas universidades) possuem repositórios institucionais, destacando que apenas sete “possuem repositórios com políticas instituídas e disponibilizadas aos usuários”. Essas sete IFES identificadas na pesquisa são: Universidade Federal da Bahia (UFBA), Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD), Universidade Federal do Ceará (UFC), Universidade Federal do Rio Grande (FURG), Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs) e Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR).

Pesquisado no Roarmap, hoje, dia 01/09/2011, verifico, com uma certa tristeza, que destas 7 instituições, mesmo tendo sido confirmada a existência de políticas OA, apenas 2 instituições tiveram o cuidado de registrar as suas políticas naquele sítio, quais sejam: Universidade Federal do Rio Grande do Sul e Universidade Federal do Rio Grande, às quais parabenizo pelo efetivo registro de suas políticas no Roarmap. A tristeza maior fica por conta do fato de que das 33 instituições que receberam equipamentos para construírem os seus RIs, 10 não o fizeram até o presente momento e nem registraram as suas políticas OA. Porque desta tristeza? Bem, todas as instituições receberam os kits tecnológicos há mais de um ano, e esses kits foram entregues com os pacote de software Dspace e SEER devidamente instalados. O fato de essas instituições não terem registrados as suas políticas ou não terem aprovado uma política de acesso livre é até compreensível pela excessiva burocracia e morosidade das IFES, mas não terem implantados os RIs é uma demonstração de incompetência técnica e de falta de responsabilidade para com o erário público. Todas essas instituições tinham um cronograma definido. Isto é Brasil!

Anúncios

setembro 1, 2011 - Posted by | artigo | , , ,

12 Comentários »

  1. Kuramoto. Um pitaco – pode ser falta de tempo – como fui funcionária pública sei que muita gente passa o tempo todo apagando incêndio e trabalhando no secundário. Há muita burocracia, sim, mas há também falha de planejamento. Muitas vezes o planejamento geral para a instituição existe, mas as pessoas não chegam a fazer um planejamento individual, que reflita tais prioridades. Não há cobrança interna efetiva. Na hora de fazer relatórios diz-se qualquer coisa e como quem lê não tem discernimento, aceita. Tenho impressão que cobranças externas, da sociedade, podem ser um bom remédio. Siga cobrando!

    Comentário por Gilda Queiroz | setembro 1, 2011 | Responder

    • Oi Gilda,
      obrigado pelo seu comentário e pelo pitaco. Acho que também as universidades não devem levar a culpa sozinhas, mas também quem repassou os kits, que deixou a coisa correr frouxa, esses equipamentos já deveriam ter sido retomados, afinal existia um compromisso.
      Um abraço.
      Helio Kuramoto

      Comentário por Helio Kuramoto | setembro 2, 2011 | Responder

  2. Dá até para citar aquela música: “E o povo, já pergunta com maldade, onde está a honestidade, onde está a honestidade”

    Comentário por Flávio Araújo | setembro 1, 2011 | Responder

    • Nesse caso, eu diria que não seja um caso de falta de honestidade, mas um caso de incompetência técnica, gerencial e de falta de responsabilidade.

      Cordiais saudações.
      Helio Kuramoto

      Comentário por Helio Kuramoto | setembro 2, 2011 | Responder

  3. Oi Kuramoto!!
    Estou sempre acompanhando seu blog e gostei de saber que há tantas pessoas interessadas em estudar o OA. Eu sou aluna de Biblioteconomia e o tema do meu TCC é Repositórios Institucionais e estou analisando 103 Universidades Públicas Brasileiras. Atualmente estou na fase de aplicação de questionários e tenho percebido o interesse de muitas universidades pelos RIs.
    O fato é que não basta ter um RI, a universidade/instituição precisa DIVULGAR seu RI!!!

    Comentário por Patrícia Marra | setembro 2, 2011 | Responder

    • Oi Patrícia,
      obrigado pelo seu comentário. É sempre bom saber desses estudos. Exatamente, além de ter um RI é importante também ter uma política de informação para garantir o preenchimento desse RI. Qdo vc terminar a sua pesquisa, tenho interesse em ter acesso aos seus resultados.
      Boa sorte!

      Um abraço.
      Helio Kuramoto

      Comentário por Helio Kuramoto | setembro 2, 2011 | Responder

      • Claro! Será um grande prazer poder divulgar os resultados da minha pesquisa!

        Comentário por Patrícia Marra | setembro 2, 2011

      • Oi Patrícia,

        muito legal, obrigado pela sua concordância e resposta.

        Um abraço.
        Kura

        Comentário por Helio Kuramoto | setembro 2, 2011

  4. Professor Kuramoto, dentre os diversos fatores que influenciam na implementação dos RIs, eu diria que o apoio da Administração das IFES é o diferencial. Fora isso, tem o fator dos recursos humanos, desde a parte da interface, passando pela configuração (informática e equipe técnica), e, bem sabemos, não são todos que tem. Aqui na FURG, temos a PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS GRADUAÇÃO que incentivou desde a elaboração da Proposta para receber o KIT até a elaboração da Política. Temos dificuldades, mas temos apoio do IBICT, o Milton Shintaku tem nos orientado em diversas questões, os alunos do Curso de Biblioteconomia, são nossos depositantes/revisores. Eu creio que deveríamos investir na qualificação de profissionais, além da conscientização, é claro.
    Uma das pesquisas de TCC que temos está “conhecer os problemas da implementação”, tenho certeza que os resultados nos ajudarão muito, da acadêmica Franciele Scaglioni.
    Resta-nos agradecer seu empenho e apoio!
    Um abraço!!
    Angélica Miranda

    Comentário por Angélica Miranda | setembro 2, 2011 | Responder

    • Prezada Angélica,
      obrigado pelo seu cometário esclarecedor. Você tem razão, concordo que a existência de uma liderança interna na universidade proveniente do corpo diretivo é um fator de sucesso. Isto é verdade e um exemplo disto é dado pela entrevista do prof. Bernard Rentier, reitor da Université de Liège. Parabés pela sua iniciativa na FURG. Gostaria de saber como está o ritmo de crescimento do repositório institucional da FURG, isto é importante par avaliar se a política institucional adotada por vcs está funcionando ou não. Fico contente em saber que vc tem alunos desenvolvendo pesquisas com o tema do OA, isto é importante para a compreensão dos problemas de implantação. Se vc puder, depois, escrever uma pequena notinha sobre este TCC que vc mencionou, eu gostaria e poder publicá-la em meu blog.

      Um abraço.
      Helio Kuramoto

      Comentário por Helio Kuramoto | setembro 3, 2011 | Responder

  5. Já que estamos tratando de dinheiro público – nosso, pois – o Ministério Público deveria ser acionado.

    Comentário por Laercio Elias Pereira | setembro 4, 2011 | Responder

    • Prezado Laercio,
      você tem razão. É uma ótima sugestão.

      Um abraço.
      Helio Kuramoto

      Comentário por Helio Kuramoto | setembro 4, 2011 | Responder


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: