Blog do Kuramoto

Este blog se dedica às discussões relacionadas ao Open Access

O Ranking Web of World repositories

Tenho visto o sítio do webometrics e analisado o resultado da classificação de repositórios brasileiros e nem sempre o que o referido sítio classifica coincide com o conceito que temos a respeito de determinados repositórios.

Antes, porém, de tecer qualquer comentário é preciso explicar os objetivos desta iniciativa e os critérios utilizados. O objetivo do Ranking Web of World repositories é apoiar iniciativas de acesso aberto e, portanto, o acesso livre a publicações científicas em formato eletrônico e outros materiais acadêmicos. Os indicadores da web são usados ​​para medir a visibilidade e impacto global dos repositórios científicos.

A lista de repositórios foi compilada a partir do Registry of Open Access Repositories (ROAR) e do The Directory of Open Access Repositories (OpenDOAR).

Os repositórios avaliados foram selecionados a partir de suas URL’s (Uniform Resource Locator), ou seja, a partir dos seus endereços na web. Assim, apenas os repositórios cujos endereços tinham a seguinte configuração, repositorio.xxx.zz foram avaliados. Repositórios que tivessem qualquer outra configuração de endereços não foram considerados. Ou seja, repositórios que tenham como url, o endereço: http://bdtd2.ibict.br ou http://www.teses.usp.br/ foram avaliados.

Os critérios para classificar os diversos repositórios foram : 1) Size, número de páginas recuperados a partir dos search engines Google, Yahoo, Live Search e Exalead; 2) Visibilidade, baseado no número de total de links únicos externos confidenciais obtidos por meio dos sítios Yahoo Search e Exalead; 3)Rich text: apenas os arquivos em PDF obtidos por meio do Google e do Yahoo foram considerados; 4) Scholar, por meio do uso da base de dados do Google Scholar, foi calculado a média do total de documentos normalizados e os artigos mais recentemente publicados entre 2001 e 2008.

Bem esses critérios são um alerta às nossas instituições para que tenham cuidados no momento de se escolher ou definir as URL’s de seus repositórios, caso queiram estar bem classificadas neste ranking.

Independente desses fatores, não deixa de provocar interrogações em nossas mentes ao verificar que a Biblioteca Digital de Teses e Dissertações encontra-se em décimo terceiro lugar e a Biblioteca Digital da Unicamp encontra-se em 524. lugar. Bem, neste caso há que se fazer um comentário. Apesar de a biblioteca de teses e dissertações da UNICAMP ser maior do que o da USP, segundo as estatísticas da BDTD do IBICT, aparentemente, ela encontra-se escondida na Biblioteca Digital da Unicamp. Existem, certamente, razões técnicas para tal procedimento por parte da Unicamp.

Continuando, as surpresas não param por aí, a BDTD do IBICT encontra-se na posição 965. Não entendi o porque desse mal posicionamento da BDTD, a URL está de acordo com os critérios adotados. Uma outra surpresa negativa foi o posicionamento da biblioteca digital de teses e dissertações da PUC do Rio de Janeiro, Maxwell Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, ela se encontra na posição 304. Ou seja, existem curiosas surpresas neste ranking e não existem explicações plausíveis. Nesse sentido, acredito que estas e outras instituições forma, de certa forma, prejudicadas em sua visibilidade e caberia questionar o webometrics sobre esse ranking.

Anúncios

março 15, 2011 - Posted by | Sem categoria

Nenhum comentário ainda.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: