Blog do Kuramoto

Este blog se dedica às discussões relacionadas ao Open Access

Open Access: uma perspectiva global

No último dia 20 de Janeiro, a Comissão Nacional da Holanda para a Unesco convocou diversos especialistas de países de todos os continentes e representantes de diversas organizações para discutir as perspectivas, no contexto global, do Open Access. Segue uma síntese do relatório resultado dessa reunião:

O Open Access tem se tido um apaixonado debate em todo o globo terrestre, assim como, diversos marcos importantes foram estabelecidos, como o Budapeste Open Access Initiative (2002), a Berlim Declaration on Open Access to Knowledge in the Science and Humanities (2003) e a Declaração de Salvador sobre Open Access (2005). Hoje, mais e mais agências de fomento fazem da publicação em acesso livre um pré-requisito para o seu apoio. As universidades vêm cada vez mais estimulando os seus pesquisadores e acadêmicos a disseminarem as suas publicações em acesso livre via repositórios. Bibliotecas, editores e governos discutem políticas aderentes ao OA.
As discussões mostraram a existência de uma demanda sob perspectiva global. A voz do hemisfério sul ainda não é suficientemente ouvida nessas discussões. Portanto, a Comissão Nacional da Holanda para a Unesco convocou especialistas, de vários países, provenientes dos da América Latina, África, Ásia e Europa, e representantes de várias organizaçõesos mundiais para discutir as perspectivas globais sobre o acesso livre.

O resultado dessa reunião pode ser sintetizado nos seguintes pontos:

1) A Unesco apóia o acesso livre para o benefício do fluxo global do conhecimento, inovação e desenvolvimento econômico-social equitativo;

2) O acesso livre não deve ser visto como um fim em si mesmo, mas como um instrumento para a melhoria do acesso ao conhecimento científico. Assim, o acesso livre pode ser definico como um “bem público global”: um instrumento para estimular o crescimento e a qualidade da ciência global, assim como, para perceber os direitos no compartilhamento dos avanço científicos e seus benefícios, para a educação e a informação;

3) Então a Unesco pode usar o acesso livre para avançar, entre outras coisas como na qualidade da educação, na saúde pública e no progresso econômico;

4) O permanente acesso é um importante componente de crescimento e difusão do conhecimento, criando a possibilidade de re-uso, re-analise,inter-comparação e combinação de publicações e dados, para o crescimento da produtividade e de novas percepções;

5) Os países em desenvolvimento mais vigorosos encontram-se no hemisfério sul e a ciência faz parte do seu dinamismo geral. Há, portanto, um mútuo interesse dos hemisférios sul e norte em compartilhar os resultados de suas pesquisas e dados por intermédio de uma conexão bilateral abrangendo a informação científica e a promoção da internacionalização da ciência;

6) O acesso livre facilita a comunicação global dos resultados de pesquisa. A conscientização dos cientistas e outras stakeholders sobre as possibilidades e vantagens do acesso livre ainda precisa ser melhorada. Mas, a simples conscientização não é suficiente. Existem diversos obstáculos práticos para o compartilhamento da informação científica em muitas partes do mundo: a falta de acesso a periódicos científicos caros; modelos de negócios de publicação que sobrecarregam o autor no processo de publicação dos seus artigos; acessos fracos ou não confiáveis à Internet; a falta de bases de dados para pesquisa de dados. O sustentável acesso livre a resultados de pesquisa e dados é um mecanismo promissor para o progresso da ciência no hemisfério sul. Os problemas específicos de pesquisadores nessa parte do globo terrestre deveriam receber maior atenção por parte dos tomadores de decisão;

7) Os pontos expostos significam que as metas do acesso livre deveriam seguir de forma mais pragmática, levando-se em conta que o que funciona em um lugar pode não funcionar em outros lugares;

8) Os países diferem bastante em como os seus sistemas científicos se organizam, em seus sistemas legais e sociais, assim como sua infraestrutura tecnológica.

9) Existe uma diversidadelinguística e diferenças entre as disciplinas científicas;

10) Os periódicos locais sempre desempenharam um papel importante no desenvolvimento científico em nível local e regional;

11) A proporção entre o financiamento público e privado da ciência não é o mesmo em todos os lugares, então o argumento de que o que é financiado publicamente deveria ser livremente acessível para o público, embora seja verdade universalmente, não é igualmente forte em todos os lugares;

12) Então todos stakeholders devem saber que não há um caminho real para o livre acesso a informações científicas confiáveis e correntes. Ao mesmo tempo, não faz sentido um país ou região agir sozinho;

13) A elaboração de normas, padrões e coordenação de esforços são tarefas importantes que estão além do poder de governos individuais;

14) A cooperação internacional é crucial para a criação de sistemas que sejam flexíveis mas confiáveis, seguros mas abertos, local e global;

15) Há necessidade de um quadro comum de pesquisa e desenvolvimento para desenvolver sistemas confiáveis de alta qualidade, controle de qualidade da combinação científica, mecanismos de garantia de privacidade e propriedade para pesquisadores individuais.

Portanto a Comissão Nacional da Holanda para a UNESCO solicita à Unesco, na sua função de manter, ampliar e difundir o conhecimento, que assuma o papel efetivo de mediador, normatizador, construtor de capacidades e conscientizador para a disseminação e preservação a longo prazo do conhecimento científico.

A Unesco deveria vigorosamente implementar a sua política de Open Access, usando tanto a abordagem “top down” quanto “bottom up” para apoiar o desenvolvimetno e implementação da política de Open Access entre os tomadores de decisão de alto nível e as organizações de fomento à pequisa. É necessário fortalecer as suas parcerias com organizações para construção de capacidades e treinamento neste campo. A Unesco tem um papel especial a desempenhar para assegurar que haja um envolvimento global no desenvolvimento dessas políticas.

Anúncios

março 12, 2011 - Posted by | Sem categoria | , ,

Nenhum comentário ainda.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: