Blog do Kuramoto

Este blog se dedica às discussões relacionadas ao Open Access

Uma breve introdução ao Open Access (acesso livre)

Essa é a tradução de um texto elaborado por Peter Suber e que está sendo distribuído como parte das festividades do Dia Internacional do Open Access. O texto original pode ser lido no link da palavra “texto” na primeira linha desta matéria. Peço, por gentileza, caso identifiquem algum problema de tradução, façam-me saber. Na tradução tomei a liberdade de realizar pequenas alterações no texto original com o propósito de proporcionar melhor entendimento. Segue a tradução:

“Literatura em Acesso Livre significa que é digital, que o acesso é em linha, que o acesso é gratuito e livre da maior parte das restrições relativas a direitos autorais e licenciamento. O que torna isso possível é a Internet e o consentimento do autor ou detentor dos direitos autorais.

Acesso Livre é inteiramente compatível com a revisão pelos pares (peer review), e a maior parte das iniciativas de acesso livre, para a literatura acadêmica e científica, destaca a sua importância. Apenas os autores de artigos de revistas científicas doam o seu trabalho, tal como fazem a maioria dos editores de revsitas científicas, e os avaliadores que participam da avaliação (peer review).

A literatura em Acesso Livre não é livre de custos, mesmo se ela é menos cara que a literatura publicada convencionalmente. A questão não é se a literatura acadêmica ou cientifica pode não ter custos, mas se há outras formas melhores de pagamento que não sobrecarreguem os leitores e crie barreiras de acesso. Os modelos de negócio para pagamento dependem de como o Acesso Livre é implantado.

Há duas formas para implantar o Acesso Livre aos artigos de pesquisa: revistas científicas de acesso livre e arquivos ou repositórios de acesso livre.

Revistas de Acesso Livre (RAL)

As RAL fazem avaliações (peer review) e então tornam os conteúdos aprovados disponíveis livremente para o mundo. O custo desse processo consiste em avaliar, preparar o manuscrito, como também aquisição do espaço do servidor.

As RAL pagam as suas faturas de forma muito parecida com o modelo adotado pelas redes de televisão cadeias de rádio: aqueles que têm interesse em disseminar o seu conteúdo pagam os custos de produção inicial para que o acesso possa ser gratuito para todos. Às vezes isso significa que as revistas devem contar com subsídios de hospedagem por parte de sociedades profissionais ou universides. Isso pode significar também que as revistas cobrem uma taxa para publicar os artigos aceitos, taxa esta a ser paga pelo autor ou pelo patrocinador do autor (empregador, ou da agência de fomento).

As RAL que cobram honorários para a publicação de artigos  normalmente costumam renunciar a esta cobrança em caso de dificuldades econômicas.

As RAL que recebem subsídios institucionais tendem a não cobrar nenhuma taxa pela publicação.

As RAL podem fixar subsídios ou taxas menores se eles têm receitas provenientes de outras publicações, publicidade, preços agregados ou serviços auxiliares. Algumas instituições e consórcios fornecem descontos. Alguns editores que adotam a filosofia de Acesso Livre renunciam ao pagamento da taxa a todos os pesquisadores afiliados à instituições que adquiriram uma assinatura anual. Há muito espaço para a criatividade com o objetivo de encontrar formas de pagamentos ou ressarcimentos de custos de uma RAL avaliada pelos pares. Estamos longe de ter esgotado a nossa habilidade e imaginação.”

Arquivos abertos ou repositórios

Arquivos ou repositórios não são publicados antes de uma revisão, apenas disponibilizam seu conteúdo para o mundo. Eles podem conter preprints sem referências, postprints ou ambos.

Arquivos (Archives)

Os arquivos podem pertencer às instituições, tais como universidades e laboratórios, ou às disciplinas, tais como a física e a economia.

Autores podem Arquivar

Os autores podem arquivar seus preprints sem que necessitem de que qualquer outra permissão, e a maioria dos periódicos já permite que os autores arquivem seus postprints. Quando os repositórios são compatíveis com o protocolo OAI (Open Access Inititative) passam a ser interoperáveis e os usuários podem encontrar seus conteúdos sem conhecer a sua localização (dos repositórios) e saber o que eles contêm. Existem pacotes de software livre de uso global para construção e manutenção de repositórios em conformidade com o modelo OAI. Os custos de construção e manutenção desses repositórios são insignificantes: eles ocupam pouco espaço no servidor e demandam o trabalho de um técnico de informática e de um técnico de informação.

Anúncios

setembro 23, 2008 - Posted by | Sem categoria | , ,

1 Comentário »

  1. […] (sem restrições de uso), ele também é livre de custos para o usuário. Hélio Kuramoto em seu blog justifica essa tradução citando Stevan Harnad: “…acesso livre significa que é digital, […]

    Pingback por Acesso Livre e UNL « Acesso Livre Brasil | março 18, 2009 | Responder


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: